Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Estudantes judeus abrem processo contra Harvard por antissemitismo

Caso ocorre após uma onda de protestos pró-Palestina e pró-Hamas tomar o campus quando eclodiu a guerra no Oriente Médio, há três meses

Por Da Redação
12 jan 2024, 15h38

Uma ação judicial movida no início desta semana por um grupo de estudantes da Universidade de Harvard acusa a mais prestigiosa instituição de ensino dos Estados Unidos de se tornar “um bastião de ódio e assédio antijudaicos desenfreados”, por supostamente tolerar assédio, agressão e intimidação contra os judeus que frequentam o campus.

O processo foi capitaneado por alguns integrantes do Students Against Antisemitism, que argumentam que Harvard violou os direitos civis dos alunos pertencentes à comunidade judaica, principalmente depois do ataque do grupo terrorista Hamas, no dia 7 de outubro, contra as comunidades do sul de Israel.

+ Presidente de Harvard renuncia após controvérsias sobre antissemitismo

“Multidões de estudantes e professores pró-Hamas marcharam às centenas pelo campus, gritando vis slogans antissemitas e pedindo a morte de judeus e de Israel”, relatam os estudantes no processo. “Essas multidões ocuparam edifícios, salas de aula, bibliotecas, salas de estudantes, praças e salas de estudo, muitas vezes durante dias ou semanas seguidas, promovendo a violência contra os judeus.”

Continua após a publicidade

O que se sabe até agora

O documento não traz mais detalhes sobre a data e em que essas “multidões” teriam se manifestado, mas o campus têm sido tomado por uma série de protestos pró-Palestina após o começo dos embates no Oriente Médio.

O sócio do escritório de advocacia responsável pela ação, Marc Kasowitz, afirmou por meio de um comunicado que o litígio era necessário porque Harvard não iria “corrigir voluntariamente seu profundo problema de antissemitismo”.

+ EUA e Reino Unido atacam Iêmen por ar e mar em meio à guerra em Gaza

A universidade se recusou a comentar o caso, por uma política da instituição de não comentar processos em aberto. O que se sabe até agora é que mais de dez estudantes enfrentam acusações disciplinares internas por violações das regras de protesto, em conexão com os atos anti-Israel.

Guerra de narrativas nos campi

Desde o início dos embates entre a facção palestina Hamas e o governo israelense na Faixa de Gaza, uma série de protestos passaram a fazer parte do dia a dia dos ambientes acadêmicos nos Estados Unidos, incluindo ações judiciais contra o Instituto de Arte de Chicago, a Universidade de Nova York e a Universidade da Pensilvânia.

O Departamento de Educação americano alerta com frequência as faculdades de suas obrigações com o combate ao antissemitismo e à islamofobia, sob risco de perderem incentivos federais.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.