Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Donald Trump deixa hospital para acenar a apoiadores e depois volta

Médico da Casa Branca anunciou hoje que o presidente norte-americano deve receber alta nesta segunda-feira; ele está internado com Covid-19

Por Da Redação Atualizado em 4 out 2020, 20h08 - Publicado em 4 out 2020, 19h02

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deixou neste domingo, dia 4, o hospital para cumprimentar os seus apoiadores de dentro do carro e, cerca de meia hora depois, retornou ao centro médico militar Walter Reed, onde está internado desde a última sexta-feira, recuperando-se da Covid-19.

Neste domingo, o porta-voz da equipe médica da Casa Branca, Sean Conley, anunciou que Trump deve receber alta nesta segunda-feira, dia 5, e que passou a tomar um novo medicamento, Dexametasona, que só é recomendado para pacientes em quadro grave de Covid-19.

Conley afirmou  que “altos e baixos” fazem parte do processo de recuperação “como qualquer outra doença”. Além de Dexametasona, Trump está sendo medicado com Remdesivir e recebeu recebeu uma dose de Regeneron com anticorpos monoclonais na sexta. Segundo Brian Garibaldi, especialista em cuidados pulmonares críticos do hospital militar, Trump não demonstrou “efeitos colaterais”.

Estudos mostram que a Dexametasona melhora a sobrevivência de pacientes hospitalizados em condições críticas para Covid-19, quando precisam de oxigênio extra. Contudo, o medicamento é contraindicado para casos leves, pois pode limitar a capacidade do próprio organismo de combater o vírus, de acordo com as diretrizes da Sociedade de Doenças Infecciosas da América.

Hospitalizado, Trump escreveu uma mensagem de agradecimento aos apoiadores em seu perfil pessoal no Twitter. Antes disso, ele gravou um vídeo em que disse que seu “verdadeiro teste” virá nos próximos dias, referindo-se à eleição presidencial dos EUA. “Veremos o que acontecerá pelos próximos dias”, disse Trump diante da câmera, parecendo cansado e vestindo uma jaqueta e uma camisa de gola aberta.

O atual presidente segue em desvantagem na corrida pela Casa Branca. Segundo pesquisa Reuters/Ipsos, publicada neste domingo, o democrata Joe Biden abriu 10 pontos de vantagem no cenário nacional. O levantamento aponta que 65% dos americanos disseram que Trump provavelmente não seria infectado se ele tivesse levado o vírus mais a sério. A disputa está entrando em sua reta final e a campanha de Trump terá uma programação eleitoral “agressiva” nesta semana, com participação de seus três filhos mais velhos e do vice-presidente Mike Pence.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)