Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Coronavírus: Califórnia decreta quarentena obrigatória

Governo prevê que Covid-19 pode atingir mais da metade da população do estado em 8 semanas; Senado apresentou plano de estímulo econômico de US$1 trilhão

Por Da Redação
20 mar 2020, 09h26

A Califórnia emitiu uma ordem inédita para sua população de 40 milhões de habitantes ficar em casa, e o governo dos Estados Unidos orientou cidadãos americanos a voltarem para casa ou ficarem no exterior por tempo indeterminado, à medida que o total de mortes do coronavírus no país chegou a 200, na quinta-feira 19.

A diretiva do governador da Califórnia, Gavin Novasom, que entrou em vigor de imediato, é a maior e mais abrangente restrição já adotada pelo Estado em meio ao agravamento da crise de saúde pública provocada pelo surto de Covid-19, que ele previu que pode infectar mais da metade da Califórnia dentro de oito semanas.

A quarentena deve ficar em vigor por pelo menos 14 dias. As normas permitem que os cidadãos deixem suas casas para ir ao supermercado, farmácia e hospitais, além de para se exercitar e passear com seus cachorros.

Enquanto as autoridades intensificavam medidas para evitar a proliferação do vírus, o governo dos Estados Unidos pode anunciar restrições nas viagens na fronteira EUA-México nesta sexta-feira, 20, limitando as travessias ao essencial, segundo duas autoridades a par da questão. Tal ação viria na esteira de uma medida semelhante adotada na quarta-feira 18 para fechar a fronteira com o Canadá.

A doença respiratória de disseminação rápida está acabando com a maioria dos hábitos cotidianos da nação ao fechar escolas e negócios, obrigar milhões a trabalharem em casa, causar a demissão de muitos e diminuir drasticamente as viagens.

O Departamento de Estado disse aos cidadãos que, se viajarem para o exterior, “seus planos de viagem podem ser seriamente prejudicados, e vocês podem ser forçados a permanecer fora dos Estados Unidos por um período de tempo indefinido”.

Continua após a publicidade

Como a economia está padecendo, republicanos do Senado apresentaram um plano de estímulo econômico de 1 trilhão de dólares para disponibilizar fundos diretamente ao público e aos negócios americanos. O presidente Donald Trump vem pedindo o pacote com insistência.

O número de pessoas solicitando seguro desemprego atingiu a maior taxa desde 2012 e atingiu um pico de 2,5 anos na semana passada, já que empresas do setor de serviço dispensaram funcionários porque a pandemia está fechando negócios.

Seria o terceiro projeto de lei de emergência do Congresso para enfrentar o coronavírus na esteira de um plano de mais de 105 bilhões que cobre os exames gratuitos de coronavírus, licenças-saúde remunerada e gastos adicionais com a rede de segurança e uma medida de 8,3 bilhões para combater a disseminação do patógeno altamente contagioso e desenvolver vacinas contra ele.

O mercado de ações em queda e o número crescente de mortes levaram Trump a mudar radicalmente de tom sobre a doença nesta semana, quando exigiu ações urgentes para repelir um mergulho na recessão depois de passar semanas minimizando os riscos.

Continua após a publicidade

Mais de 13.000 pessoas de todo o país foram diagnosticadas com a doença batizada de Covid-19 e 200 morreram. Os Estados de Washington, Nova York e Califórnia concentraram os maiores números até o momento.

Como os Estados Unidos demoram para mobilizar exames em massa para detectar o vírus, que já infectou mais de 229.000 pessoas em todo o mundo, autoridades temem que a quantidade de casos conhecidos da doença respiratória que pode causar pneumonia esteja muito distante da realidade.

Hospitais de toda a nação dizem estar enfrentando uma falta de equipamento médico, e médicos de Seattle são forçados a improvisar máscaras com folhas de plástico.

(Com Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.