Clique e assine a partir de 8,90/mês

Coreia do Sul diz estar buscando acordo de paz com Coreia do Norte

Tecnicamente os dois países seguem em conflito, pois nenhum tratado de paz foi assinado para dar fim à Guerra das Coreias, iniciada em 1950

Por Da redação - 18 abr 2018, 11h06

A Coreia do Sul disse nesta quarta-feira que está estudando como transformar um armistício de décadas com a Coreia do Norte em um acordo de paz. A assinatura de um tratado de paz poderia encerrar as hostilidades entre os dois países iniciadas há mais de 60 anos.

As antigas rivais estão preparando uma própria cúpula entre o líder norte coreano Kim Jong-un e o presidente sul-coreano Moon Jae-in para o dia 27 de abril e o empenho de encerrar formalmente a Guerra da Coreia (1950-53) será um dos principais itens em pauta.

“Um dos planos que estamos estudando é a possibilidade de transformar o armistício da península coreana em um regime de paz”, disse uma autoridade sul-coreana. “Mas esta não é uma questão que pode ser resolvida só entre as duas Coreias. Ela exige consultas com outras nações envolvidas, além da Coreia do Norte”, afirmou.

A Coreia do Sul e uma força da Organização das Nações Unidas (ONU) encabeçada pelos Estados Unidos ainda estão tecnicamente em guerra com a Coreia do Norte, já que a Guerra da Coreia terminou em uma trégua, não em um tratado de paz. O Comando das Nações Unidas, liderado por Washington, China e Coreia do Norte assinaram o armistício de 1953, do qual a Coreia do Sul não é signatária.

“Não sei se algum comunicado conjunto a ser acertado na cúpula intercoreana incluiria um palavreado sobre o encerramento da guerra, mas certamente esperamos conseguir incluir um acordo para encerrar atos hostis entre o Sul e o Norte”, disse o funcionário.

Continua após a publicidade

A Cúpula entre os dois países ocorrerá algumas semanas antes da esperada reunião entre o líder norte-coreano com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Nesta quarta-feira, Trump confirmou que seu atual secretário de Estado, na época diretor da CIA, Mike Pompeo, se encontrou com Kim Jong-un a fim de acertar detalhes da cúpula prevista para o fim de março ou início de junho.

Imprensa na Cúpula entre as Coreias

Cerca de 3.000 jornalistas de todo o mundo cobrirão a cúpula entre as duas Coreias, a primeira deste tipo em onze anos. Um total de 2.833 jornalistas se inscreveram até esta quarta-feira para poder comparecer ao encontro. Do total, cerca de 2.000 pertencem à imprensa local, enquanto mais de 800 dos credenciados são de 180 veículos de imprensa internacionais, mais do que o dobro dos que se inscreveram nas cúpulas entre as duas Coreias de 2000 e 2007, afirmou a mesma fonte.

No entanto, apenas dez jornalistas poderão assistir in situ à reunião entre o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, que será realizada na conhecida aldeia da paz de Panmunjeom, enquanto o resto ficará um centro de imprensa.

Representantes das duas Coreias realizam hoje na fronteira uma nova reunião preparatória sobre protocolo e segurança em relação com o encontro, assim como para a organização da cobertura dos vários veículos de imprensa nacionais e internacionais credenciados.

(Com Reuters e EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade