Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Chefes do FBI e do MI5 alertam para ‘imensa’ ameaça da China

Autoridades dos serviços de segurança do Reino Unido e EUA disseram que investigações sobre atividades do Partido Comunista Chinês dobraram nos últimos anos

Por Da Redação Atualizado em 6 jul 2022, 18h28 - Publicado em 6 jul 2022, 18h24

Os chefes dos serviços de segurança do Reino Unido e dos Estados Unidos fizeram uma aparição conjunta inédita para alertar sobre a ameaça da China à segurança de ambos os países.

O diretor do FBI, Christopher Wray, disse que a China é a “maior ameaça de longo prazo” à segurança econômica e nacional e acusou a nação oriental de interferir nas eleições para o Congresso em Nova York na tentativa de impedir que um candidato crítico ao regime chinês fosse eleito.

Wray classificou o desafio colocado pelo Partido Comunista Chinês como “imenso” e “de tirar o fôlego”.

Na mesma toada, o chefe do MI5, Ken McCallum, disse que o trabalho do serviço de inteligência britânico está realizando sete vezes mais investigações relacionadas às atividades do Partido Comunista Chinês em comparação com 2018.

A primeira aparição pública conjunta dos dois diretores ocorreu na sede do MI5 em Thames House, Londres. Entre os presentes estavam executivos-chefes de empresas e figuras de alto escalão de universidades – que, segundo as autoridade, estariam correndo o risco de ter sua tecnologia “roubada” pelo governo chinês.

O chefe do FBI citou casos em que pessoas ligadas a empresas chinesas estavam desenterrando sementes geneticamente modificadas nas áreas rurais dos EUA que custaria à China bilhões de dólares e quase uma década para se desenvolverem. Ele também acusou o governo chinês de implantar espionagem cibernética para “enganar e roubar em grande escala”, por meio de hackers.

McCallum também apontou uma série de exemplos ligados à China. Entre eles, um especialista em aviação britânico que teria caído em uma armadilha e solicitado a fornecer informações técnicas sobre aeronaves militares por uma empresa que na verdade era uma fachada para oficiais de inteligência chineses.

Ambos especularam sobre uma possível ambição da China invadir Taiwan, tomando o exemplo da Rússia na Ucrânia. “Não tenho nenhuma razão para pensar que o interesse deles em Taiwan diminuiu de forma alguma”, afirmou Wray. Segundo os diretores, o Estado insular asiático estaria com sua independência ameaça e que se a invasão fosse efetivada, as consequências seriam avassaladoras para os investimentos ocidentais na China.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)