Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Catherine foi vítima de escutas ilegais antes do casamento

Outras personalidades britânicas também foram alvo de um detetive particular

Por Da Redação 9 jun 2011, 10h03

Antes de se casar com o príncipe William, Catherine Middleton teve seu telefone grampeado por um detetive particular. Mas a duquesa de Cambridge não foi a única vítima de escutas ilegais: o ex-primeiro-ministro Tony Blair também está na lista de personalidades britânicas que foram alvo do jornal News of the World.

A Scotland Yard, polícia metropolitana de Londres, confirmou nesta quinta-feira que estuda ampliar sua investigação sobre essas escutas que teriam sido realizadas por funcionários da publicação, que é propriedade do News International, conglomerado midiático dirigido por Rupert Murdoch. A decisão chega depois que o deputado trabalhista Tom Watson manifestou na quarta-feira na Câmara dos Comuns que Tony Blair foi um dos alvos de Jonathan Rees, o detetive particular.

Na presença do atual primeiro-ministro, David Cameron, o deputado trabalhista revelou que os dados investigados pela Scotland Yard “sugerem com força” que, em nome da News International, Rees teve como alvo membros da família real, políticos importantes e informantes de alto nível em matéria antiterrorista.

Vítimas – O jornal The Guardian informa nesta quinta-feira que os membros da família real são a duquesa de Cambridge, cujas conversas telefônicas foram grampeadas nas datas prévias a seu casamento com o príncipe William, o príncipe Edward, a condessa de Wessex e os duques de Kent. O jornal acrescenta que as escutas também envolveram o ex-ministro do Interior Jack Straw.

Em declarações à rede britânica BBC, Tony Blair assegurou não ter sido contatado pela polícia. “É um assunto do qual não sei. Não sei mais do que vocês sabem”. Um porta-voz da News International negou as acusações de Watson e destacou que “está suficientemente bem documentado que Jonathan Rees e a Southern Investigations (sua empresa) trabalharam nos últimos anos para vários grupos de jornais”.

O porta-voz assegurou que as autoridades policiais não solicitaram a eles nenhuma informação relacionada com Jonathan Rees e acrescentou: “Queremos destacar que mais uma vez Tom Watson fez estas acusações aproveitando-se de sua imunidade parlamentar”.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)