Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Canadá pede que cidadãos deixem o Líbano ‘enquanto podem’

Ministra das Relações Exteriores cita situação 'volátil e imprevisível' no país devido ao perigo de guerra total entre Israel e a facção libanesa Hezbollah

Por Amanda Péchy 25 jun 2024, 13h10

A ministra das Relações Exteriores do Canadá, Mélanie Joly, emitiu uma declaração nesta terça-feira, 25, instando que os cidadãos do país deixem o Líbano “enquanto podem”. A nova orientação do governo canadense veio dois dias depois do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, dizer que a “fase intensa” da guerra em Gaza está quase no fim, permitindo que as forças se desloquem para a fronteira norte para enfrentar a facção libanesa Hezbollah, aliada do grupo terrorista Hamas.

“A situação de segurança no Líbano está se tornando cada vez mais volátil e imprevisível devido à violência contínua e crescente entre o Hezbollah e Israel, e pode deteriorar-se ainda mais sem aviso prévio”, disse Joly. “Não é hora de viajar para o Líbano. E para os canadenses que estão atualmente no Líbano, é hora de partir, enquanto os voos comerciais continuam disponíveis.”

Saída em massa

A chanceler canadense afirmou ainda que, caso o conflito na fronteira entre os territórios libanês e israelense se intensificar, isso pode reduzir a capacidade do governo de fornecer serviços consulares em ambos países. Atualmente, o Canadá não oferece fugas assistidas para canadenses no Líbano, portanto operações como essa não são garantidas.

No entanto, no final de semana, o Canal 12, principal emissora de TV de Israel, informou que o Canadá estava preparando uma suposta evacuação em massa dos seus cidadãos do Líbano caso ecloda uma guerra em grande escala entre Israel e o Hezbollah.

A reportagem citou uma conversa entre Joly e o ministro das Relações Exteriores israelense, Israel Katz. Segundo o Canal 12, a conversa foi tensa e que Joly disse a Katz que os militares canadenses estavam traçando planos para retirar cerca de 45 mil pessoas do Líbano. Não houve declaração conjunta após a reunião, mas Katz fez uma postagem no X, antigo Twitter, que sugeriu uma possível escalada do conflito na fronteira norte.

Continua após a publicidade

“Israel não pode permitir que a organização terrorista Hezbollah continue a atacar o seu território e os seus cidadãos, e em breve tomaremos as decisões necessárias. O mundo livre deve apoiar incondicionalmente Israel na sua guerra contra o eixo do mal liderado pelo Irã e pelo Islã extremista”, declarou o chanceler israelense.

“Múltiplas frentes”

No domingo 23, Netanyahu disse na primeira entrevista à imprensa israelense desde o início da guerra em Gaza que a “fase intensa” das batalhas contra o Hamas em Gaza está quase no fim. Segundo ele, a operação em Rafah, cidade no sul do enclave que foi abrigo para quase 1,5 milhões de palestinos deslocados por ataques em outros cantos, “será concluída em breve”, o que permitirá que as forças de Israel se desloquem para a fronteira norte com o Líbano para enfrentar o Hezbollah.

Ele sublinhou que “não significa que a guerra esteja prestes a terminar”, e voltou a dizer que as hostilidades só vão cessar quando o Hamas for “completamente eliminado”. Abordando a escalada das tensões com o Hezbollah, que suscitou receios de uma guerra regional mais ampla, ele declarou: “Podemos lutar em várias frentes e estamos preparados para isso”.

O Hezbollah tem lançado mísseis, foguetes e drones no norte de Israel em apoio ao Hamas desde o dia seguinte aos ataques de 7 de outubro, que desencadearam a guerra em Gaza.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.