Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Brasil conclui envio de blindados à fronteira com Venezuela e Guiana

Envio dos veículos à tríplice fronteira se dá em meio à escalada de tensões por conta da região de Essequibo

Por Da Redação
Atualizado em 7 Maio 2024, 17h31 - Publicado em 5 fev 2024, 12h44

O Exército brasileiro concluiu o envio de 28 veículos blindados para reforçar a segurança na tríplice fronteira com Venezuela e Guiana, informou o Centro de Comunicação Social do Exército em nota enviada no domingo 4.

“A chegada dos blindados é resultado do planejamento voltado para reforçar e priorizar a Amazônia”, diz o documento. “A presença significativa de meios blindados destaca a importância de ter tropas de alta mobilidade e poder de fogo, prontas para atuar”.

O envio dos veículos se dá em meio à escalada de tensões entre Venezuela e Guiana por conta da região de Essequibo, que corresponde a cerca de 70% da costa da Guiana, mas a Venezuela alega ser a proprietária legítima da área. Em disputa há mais de um século, a região pertence oficialmente à Guiana desde 1899, mas o líder venezuelano, Nicolás Maduro, propôs um referendo que reacendeu o debate. Em 4 de dezembro, 95,9% dos eleitores venezuelanos aceitaram incorporar o território ao mapa do país.

Estima-se que, por lá, existam reservas de 11 bilhões de barris. A maior parte estaria offshore, ou seja, no mar. Por causa das reservas fósseis, a Guiana tornou-se o país sul-americano que mais cresce nos últimos anos.

Continua após a publicidade

Logo após o referendo e o anúncio de Caracas de que enviaria militares à região, o Brasil não hesitou em atuar como mediador de uma reunião entre Maduro e o presidente da Guiana, Irfaan Ali, para tratar da disputa. Apesar de o encontro não ter rendido frutos significativos, ambas as partes prometeram “continuar o diálogo” e evitar que a situação tome proporções bélicas.

O trabalho do Itamaraty, porém, ainda está longe do fim. Segundo o documento resultante da reunião entre Maduro e Ali, representantes da Guiana e da Venezuela devem voltar a se encontrar, agora no Brasil, dentro de três meses, para uma segunda rodada de diálogos sobre Essequibo.

Por enquanto, ainda de acordo com a declaração conjunta, Guiana e Venezuela se comprometem a não ameaçar nem usar a força “um contra o outro em quaisquer circunstâncias, incluindo aquelas decorrentes de controvérsias existentes entre os dois Estados”. O documento afirma ainda que os países devem resolver disputas de acordo com o direito internacional.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.