Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Bomba mata 34 passageiros em ônibus no Afeganistão

Artefato improvisado tinha como objetivo atingir as forças de segurança do país, mas acabou vitimando mulheres e crianças

Por Da Redação
Atualizado em 31 jul 2019, 12h48 - Publicado em 31 jul 2019, 12h24

Ao menos 34 passageiros de um ônibus foram mortos nesta quarta-feira, 31, quando o veículo passou sobre uma bomba improvisada colocada em uma estrada no oeste do Afeganistão. A maioria das vitimas era mulheres e crianças, e o número de mortos ainda pode aumentar. O governo provincial atribuiu o atentado ao Talibã.

“Esta manhã, por volta das 6h (22h30 de terça-feira no horário de Brasília), um ônibus seguia pela autoestrada Kandahar-Herat quando foi atingido pela bomba dos talibãs. Ao menos 34 pessoas morreram e 17 ficaram feridas”, disse Muhibullah Muhib, porta-voz da província de Farah.

Segundo Muhib, a bomba era destinada a atingir as forças de segurança afegãs. Outro porta-voz do governo local, Farooq Barakzai, advertiu que o número de mortos pode ser ainda maior e que todas as vítimas eram civis.

Até o momento, o Talibã não assumiu a responsabilidade do incidente.

Continua após a publicidade

Ritmo de mortes ‘inaceitável’

Na véspera, um relatório das Nações Unidas advertiu que os civis continuam sendo mortos e feridos a um ritmo “inaceitável” no Afeganistão, apesar das negociações em curso para acabar com décadas de guerra.

Embora o número de vítimas nos primeiros seis meses de 2019 tenha reduzido em 27% em relação ao mesmo período de 2018, 1.366 civis foram mortos e 2.446 ficaram feridos, informou a Missão da ONU no Afeganistão (Manua) em seu relatório semestral.

Um terço das vítimas é criança – 327 mortas e 880 feridas. A Manua informou que mais civis foram mortos pelas forças pró-governo do que por grupos insurgentes (717 contra 531), em grande parte devido a ataques aéreos afegãos e americanos.

Continua após a publicidade

Os Estados Unidos estão engajados desde o ano passado em um diálogo direto sem precedentes com o Talibã, na esperança de alcançar um acordo de paz.

Washington parece determinado a acelerar essas negociações de paz, antes das eleições presidenciais afegãs, marcadas para o final de setembro, e da corrida pela Casa Branca, em 2020.

Continua após a publicidade

O negociador americano Zalmay Khalilzad está atualmente em Cabul e viajará a Doha, no Catar, nos próximos dias, para novas discussões com os insurgentes. Se ambos os lados chegarem a um acordo, um diálogo entre o Talibã e uma delegação afegã será aberto em Oslo, na Noruega.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.