Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Biden: guerra Israel-Hamas não acabará sem ‘solução real de dois Estados’

Presidente americano disse ter deixado posição clara ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu

Por Da Redação
Atualizado em 16 nov 2023, 12h11 - Publicado em 16 nov 2023, 11h32

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta quirta-feira, 16, que a “única resposta” ao conflito entre Israel e o grupo militante palestino Hamas é uma “solução de dois Estados que seja real”, alertando Israel de que ocupar Gaza seria um “grande erro”.

A repórteres, depois de um encontro com o presidente chinês, Xi Jinping, Biden afirmou que deixou essa posição clara ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

+ Entenda a ‘solução de dois Estados’ para Israel e Palestina

“Deixei claro aos israelenses, a Bibi e ao gabinete de guerra que acho que a única resposta aqui é uma solução de dois Estados que seja real”, disse o democrata, citando o apelido de Netanyahu.

A chamada “solução de dois Estados” é o projeto para a criação de um Estado palestino que coexista pacificamente com o israelense. A ideia tem como base as fronteiras estabelecidas antes do conflito de 1967: a Linha Verde, que delimita a Cisjordânia; a Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental, reivindicada pelos palestinos como sua capital.

Continua após a publicidade

Em 1988, o então líder palestino Yasser Arafat apresentou uma declaração de independência que falava, pela primeira vez, em “dois Estados para dois povos”, reconhecendo, então, o Estado de Israel e sua soberania sobre parte da Palestina histórica. O reconhecimento foi aceito pela Organização de Libertação da Palestina, que reúne uma gama de movimentos palestinos, com exceção do Hamas e da Jihad Islâmica.

Desde 1947, os dois Estados estão presentes no Plano da Nações Unidas para a Partilha da Palestina, enquanto Jerusalém ficaria como uma terceira entidade sob controle internacional. Os Acordos de Oslo previam que um Estado substituísse a Autoridade Nacional Palestina, em 1993. Como a ideia acabou não se concretizando, um grupo mediador formado por EUA, Rússia, União Europeia e Nações Unidas planejou a criação do Estado Palestino em 2005. 

A iniciativa de paz árabe de 2002, que propõe a criação de um Estado palestino em troca do reconhecimento de Israel pelos países árabes, também é baseada nessa solução.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.