Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Bêbado danifica obra-prima da pintura russa

Quadro do século XIX mostra o czar Ivã, o terrível, lamentado ter matado o próprio filho em um momento de fúria

Por Da Redação
Atualizado em 28 Maio 2018, 15h58 - Publicado em 28 Maio 2018, 14h14
Um homem bêbado danificou uma das obras-primas da Galeria Tretyakov, de Moscou. Armado com uma barra de metal que servia para proteger as pinturas, o homem golpeou o quadro “Ivã o Terrível e seu filho em 16 de Novembro de 1581”, do pintor russo Ilya Repin.

A identidade do agressor, de 37 anos, não foi divulgada, segundo reportagem da rede americana de televisão CNN. Em comunicado, a galeria de arte informou ele havia ingressado no prédio pouco antes de ser fechado. Ele foi preso,  terá de pagar uma multa de 3.000 rublos e será processado por “estrago e destruição de obra de herança cultural”, disse a porta-voz do Ministério do Interior, Irina Volk. A pena prevista é de prisão por três anos.

“Eu fui ver aquele quadro. Eu queria sair, mas esbarrei em um buffet e bebi 100 gramas de vodca”, desculpou-se o agressor, que vive em Voronezh, cidade a 460 quilômetros de Moscou.

O quadro narra um episódio histórico da Rússia do século 16. O czar Ivã IV, conhecido como “o terrível”, abraçado ao filho que matara em um acesso de ira. O autor da obra, Ilya Repin, é considerado um dos mais famosos artistas russos do século 19 e pintou a cena em 1885.

Segundo a CNN, os estragos poderiam ter sido piores se o agressor não tivesse sido imobilizado por funcionários da galeria. Os rostos e as mãos de Ivã e de seu filho, no quadro, foram preservados dos golpes. O quadro estava protegido por vidro.

Continua após a publicidade

O museu espera que a obra possa ser restaurada, com o auxílio de especialistas. Curadores e restauradores foram chamados imediatamente depois do episódio.

Segundo o jornal britânico The Guardian, a obra tornou-se alvo de controvérsias na Rússia desde sua primeira exposição ao público. A imagem foi inspirada no assassinato do czar Alexander II, em 1881, e comprada pelo comerciante Pavel Tretyalov para ser exposta na sua galeria. Mas o czar Alexander III se sentiu ofendido e impediu a exposição da obra ao público.

Em 2013, segundo o Guardian, um grupo de ativistas cristãos ortodoxos enviou uma carta ao Ministério da Cultura na qual defendeu que esse mesmo quadro de Ilya Repin ofendia e distorcia a história russa. Três anos depois, um monumento a Ivã, o terrível, foi inaugurado em Oryol, a  200 milhas de Moscou, em uma tentativa de melhorar a reputação do antigo czar.
Registros históricos mostram Ivã como um soberano paranoico e cruel – e não apenas por ter assassinado seu filho em um momento de raiva. Uma das lendas de Moscou diz que o czar mandou cegar o arquiteto incumbido do projeto da Catedral de São Basílio, a emblemática construção na Praça Vermelha, para impedir que viesse a construir obra mais bonita.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.