Clique e assine a partir de 8,90/mês

Atirador que matou policiais em Dallas agiu sozinho, diz polícia

Micah Xavier Johnson, de 25 anos, foi membro do exército dos Estados Unidos e não tinha registros criminais

Por Da Redação - 8 jul 2016, 15h38

Oficiais da polícia de Dallas, nos Estados Unidos, disseram que o atirador Micah Xavier Johnson, de 25 anos, agiu sozinho no ataque que deixou cinco policiais mortos e outros sete feridos na noite de quinta-feira. De acordo com o jornal The New York Times, o jovem tinha a ficha criminal limpa e era um veterano do Exército dos Estados Unidos, depois de ter servido no Afeganistão. Após atirar contra os agentes durante um protesto pelo fim da violência policial, Johnson se isolou em um estacionamento e continuou ameaçando os oficiais. O atirador rejeitou as tentativas de negociação e foi morto com um robô-bomba, controlado pela polícia.

De acordo com chefe de polícia David Brown, Johnson disse que queria “matar gente branca, especialmente policiais” e que estava incomodado com os casos recentes de execuções de negros, que incentivaram os protestos da quinta-feira. As autoridades ainda estão investigando se ele tinha ligação com movimentos de ativistas, como o Vidas Negras Importam (Black Lives Matter) ou os Novos Panteras Negras (New Black Panthers), mas até o momento não encontraram evidências.

Leia mais:

Um dos autores do massacre de Dallas queria matar “policiais brancos”

Polícia usou ‘robô-bomba’ para matar atirador de Dallas

Continua após a publicidade

Vídeos mostram ataque a policiais em Dallas, nos EUA

Protesto contra violência policial deixa 5 agentes mortos nos EUA

Na tarde de sexta-feira, a irmã do atirador, Nicole Johnson, publicou uma mensagem em sua página no Facebook pedindo respeito ao momento que de perda que a família está passando. “Os noticiários vão dizer o que quiserem, mas quem conhecia ele sabe que não era assim”, escreveu.

Outros três suspeitos de terem participado do ataque foram presos e estão sendo entrevistados pela polícia, porém, as autoridades preferiram não divulgar mais detalhes para não prejudicar a investigação. Quando foram detidos, eles estavam dentro de carros próximos ao local onde os tiros começaram e a polícia não informou quais foram seus papeis no tiroteio.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade