Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

As prisões em El Salvador: máxima aglomeração social

Em estado de emergência, as penitenciárias suspenderam o banho de sol e deram a seus agentes a permissão de atirar contra amotinados

Por Ernesto Neves Atualizado em 4 jun 2024, 14h43 - Publicado em 30 abr 2020, 19h53

Militante da linha do populismo autoritário, o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, pôs em prática nas prisões do país o exato oposto do que prega o combate ao novo coronavírus: amontoou os detentos nos pátios, em situação de máxima aglomeração social. As penitenciárias salvadorenhas, em estado de emergência, suspenderam o banho de sol dos presos e deram a seus agentes a permissão de atirar contra amotinados para tentar conter a recente escalada de assassinatos dentro delas — na sexta-feira 24, foram registradas 24 mortes, um recorde. Eleito no ano passado depois de uma campanha calcada na luta contra o crime, Bukele tem como alvo principal o desmantelamento das maras, como são conhecidas as gangues que aterrorizam os 6,4 milhões de salvadorenhos. Calcula-se que só as duas maiores, Salvatrucha (MS-13) e Barrio 18, tenham cerca de 60 000 membros. Segundo o Banco Mundial, a taxa de homicídios de El Salvador é de 62 por 100 000 habitantes, a mais alta do planeta (a do Brasil, também vergonhosa, é de 31 por 100 000). A atuação mais firme do governo resultou em uma queda de 40% nos crimes violentos, em comparação a 2015, e em pontos para Bukele, que é aprovado por 88% da população. Com a decretação de emergência nas cadeias, “os contatos com o mundo exterior estão proibidos, a venda de produtos foi suspensa e todas as atividades interrompidas até segunda ordem”, anunciou o presidente no Twitter. E acrescentou: “Líderes de gangues foram postos em regime de solitária”. Sorte deles.

Publicado em VEJA de 6 de maio de 2020, edição nº 2685


Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.