Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

As dez cidades mais caras do mundo para viver em 2023

Levantamento foi publicado pela Economist Intelligence Unit nesta quinta

Por Da Redação
30 nov 2023, 20h12

O Índice Mundial de Custo de Vida, publicado anualmente pela britânica Economist Intelligence Unit (EIU), foi divulgado nesta quinta-feira, 30. Entre as dez cidades mais caras do globo, quatro ficam da Europa, três nos Estados Unidos e outras três na Ásia, sendo uma delas no Oriente Médio.

De acordo com a pesquisa, o custo de vida médio aumentou 7,4% este ano. Um valor ainda distante da tendência histórica, mas ligeiramente inferior aos 8,1% registrados na edição do ano passado. O setor de alimentos foi o que mais sofreu  com a alta dos preços.

As 10 cidades mais caras do mundo em 2023

  • Zurique, na Suíça, e a cidade-Estado de Singapura foram apontadas como as cidades mais caras do mundo. A primeira despontou da sexta colocação para o topo do ranking, em apenas um ano, numa ascensão explicada pela força do franco suíço, junto aos altos preços dos alimentos, utensílios domésticos e recreação.
  • Nova York, nos Estados Unidos, e Genebra, na Suíça, ficaram com o segundo lugar. O destino americano, que estava na primeira posição no último levantamento, perdeu duas posições. Mas os preços por lá continuam a subir, com um aumento de 1,9%.
  • Hong Kong ficou com o quinto lugar.
  • Los Angeles, outra cidade americana, ficou na sexta posição.
  • Paris, capital do amor e da França, ficou com a sétima colocação.
  • Tel Aviv, em Israel, divide o oitavo lugar com Copenhague, na Dinamarca. Mas a pesquisa aconteceu antes do conflito Israel-Hamas, iniciado em 7 de outubro.
  •  São Francisco, terceira cidade dos Estados Unidos, fecha a dezena, na posição final.

As expectativas para a inflação

O custo de vida elevado se tornou uma constante para os grandes centros do mundo todo, e alguns grandes centros foram mais afetados. Os indicadores apontam, no entanto, que os serviços públicos, categoria que mais cresce na pesquisa de 2022, apresentaram o menor nível de inflação desta vez.

“Esperamos que a inflação continue a desacelerar em 2024, à medida que o impacto desfasado dos aumentos das taxas de juro comece a afectar a atividade econômica e, por sua vez, a procura do consumidor”, disse a chefe do Custo de Vida Mundial da EIU, Upasana Dutt, em comunicado.

“Novas escaladas da guerra Israel-Hamas aumentariam os preços da energia, enquanto um impacto maior do que o esperado do El Niño aumentaria ainda mais os preços dos alimentos”, acrescentou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.