Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Após terremoto, país sofre com descoordenação na ajuda

Falta de recursos fez com que vítimas saqueassem caminhões com materiais

Por Da Redação 26 out 2011, 09h15

A descoordenação na assistência e a falta de recursos fizeram com que vítimas do terremoto na Turquia saqueassem caminhões com materiais de ajuda e vendessem as barracas enviadas para os desabrigados. “O problema principal é a falta de coordenação”, disse um jornalista local que acompanha a situação nas cidades de Van e Ercis, gravemente afetadas pelo terremoto de 7,2 graus de magnitude, que de acordo com o último balanço provisório causou a morte de 461 pessoas.

A imprensa informa que apesar das numerosas equipes de resgate, os trabalhos de busca de sobreviventes estão muito lentos. “Há gente chorando por uma barraca enquanto escutam pela rádio um ministro dizer que a ajuda chegou a todas as partes e que não há nenhum problema”, afirmou o repórter. Os jornais Hürriyet Daily News e Milliyet informaram que vários caminhões que transportavam material de emergência foram saqueados quando se dirigiam aos centros de distribuição.

De acordo com Hürriyet, há desabrigados que não receberam água e comida, e a distribuição da ajuda não está sendo bem organizada. Esta publicação cita uma fonte militar anônima que responsabiliza a administração local pelo problema. O descontrole na distribuição de ajuda chegou ao ponto de algumas famílias receberem três ou quatro barracas e revenderem àquelas que não têm nenhuma e tiveram que suportar as baixas temperaturas da noite ao redor de fogueiras.

Can Dundar, colunista do jornal Milliyet, afirma que há gente protestando porque o governo turco não aceitou até hoje o envio de ajuda estrangeira. A Prefeitura de Van, nas mãos do Partido da Paz e da Democracia, pró-curdo, denunciou que o governo provincial não está permitindo que ele participe dos trabalhos de resgate e atendimento às vítimas.

Em resposta às críticas, o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, reconheceu alguns erros logísticos sem dar grande relevância. “Houve erros na distribuição das barracas nas primeiras 24 horas, reconhecemos. Em circunstâncias similares, estas coisas podem acontecer no mundo todo”, declarou Erdogan. Também na prisão de Van foram registrados incidentes como um motim dos presos, que reivindicavam a transferência a uma prisão mais segura.

O centro penitenciário foi danificado pelo terremoto e cerca de 200 internos conseguiram escapar através de um muro que desabou, embora 50 deles retornaram após visitar suas famílias. Após o motim, as autoridades decidiram transferir os presos a outras prisões.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade