Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após sequestro, governo pede saída de franceses do Camarões

Na terça, sete pessoas da mesma família foram sequestradas no país africano

O Ministério de Relações Exteriores da França recomendou aos franceses que estiverem no norte do Camarões que se refugiem em um lugar seguro e abandonem a região o mais rápido possível. “Os cidadãos franceses que estão atualmente no extremo norte do Camarões devem imperativamente buscar refúgio no sul e deixar a região o mais rápido possível”, diz um comunicado do ministério. O texto também alerta para riscos na Nigéria, Chade, Sudão e República Centroafricana.

O pedido ocorre após o sequestro de uma família de sete franceses – três adultos e quatro crianças – por homens armados, próximo à fronteira com a Nigéria, para onde os reféns podem ter sido levados. Forças especiais francesas baseadas no Chade foram deslocadas para Camarões para ajudar na busca da família.

Ao parlamento francês, o chanceler Laurent Fabius afirmou que a França “não vai ceder a grupos terroristas”, indicando que pretende desconsiderar o pagamento de resgate para a liberação de reféns franceses na África, que atualmente somam 15. Além dos sequestrados em Camarões, oito franceses são mantidos reféns por grupos islâmicos na região do Sahel. “Devemos fazer o máximo possível para liberar nossos reféns, mas nada será pior que ceder”. Exigências de dinheiro para libertar reféns chegaram a ser atendidas sob o governo do ex-presidente Nicolas Sarkozy, que antecedeu o socialista François Hollande.

“No leste, oeste e centro da África, grupos terroristas que geralmente têm ligação entre si fazem reféns. É preciso que os países que, como nós, acreditam na liberdade, se reúnam para lutar contra esses grupos. Os riscos nunca são eliminados totalmente”, acrescentou o ministro.

O sequestro dos franceses ocorre no momento em que a França comanda uma ação militar no Mali, com o objetivo de combater grupos terroristas islâmicos. No entanto, o ministro francês da Defesa, Jean-Yves Le Drian, afirmou que o caso não tem relação com a intervenção francesa no Mali, e apontou o grupo terrorista islâmico Boko Haram como o provável responsável pelo rapto da família de franceses.

Funcionários sequestrados – Também na Nigéria, seis trabalhadores estrangeiros foram sequestrados no estado de Bayelsa, no litoral do país. Segundo a polícia local, homens armados abordaram no domingo uma barca de petróleo onde estavam três ucranianos, dois indianos e um russo. Foi feito um pedido de resgate de 1,25 milhão de dólares.

No último domingo, sete estrangeiros, entre eles um grego, um italiano, um britânico e quatro libaneses, foram sequestrados na Nigéria por um grupo terrorista ligado à Al Qaeda, o Ansaru.

(Com agência EFE)