Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Aliado de extrema direita de Netanyahu promete ‘impor ordem’ em Israel

Colono da Cisjordânia e ex-membro do Kach, grupo militante judeu considerado pelos EUA como terrorista, Itamar Ben-Gvir quer ser ministro da Polícia

Por Da Redação
3 nov 2022, 10h01

Após uma uma contagem quase final de votos nesta quinta-feira, 3, mostrar que o ex-primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu está a caminho da reeleição com uma clara maioria parlamentar, um de seus principais aliados, Itamar Ben-Gvir, do partido de extrema-direita Sionismo Religioso, afirmou que pretende “impor ordem” no país com o novo governo.

“Chegou a hora de impor a ordem aqui. Chegou a hora de haver um senhorio”, tuitou Ben-Gvir, em resposta à morte três palestinos, incluindo um militante da Jihad Islâmica na Cisjordânia e um homem de Jerusalém, que a polícia disse ter esfaqueado um oficial.

+ Israel: cinco eleições em quatro anos, 39 partidos – e Netanyahu na frente

Na Cisjordânia, soldados mataram um militante da Jihad Islâmica e um homem de 45 anos em um incidente separado, disseram médicos. Questionado sobre a última morte, o exército disse que abriu fogo quando os palestinos os atacaram com pedras e coquetéis molotov.

Um colono da Cisjordânia e ex-membro do Kach, um grupo militante judeu nas listas de terroristas de Israel e dos Estados Unidos, Ben-Gvir quer se tornar ministro da Polícia.

Continua após a publicidade

Na votação de terça-feira 1, o atual premiê centrista, Yair Lapid, e sua aliança incomum de conservadores, liberais e políticos árabes, ficaram em segundo lugar. Com o conflito na Palestina novamente em alta, o Likud de Netanyahu e sua coalizão ocuparam 65 dos 120 assentos do Knesset, parlamento israelense, de acordo com uma contagem de votos que deve ser concluída na quinta-feira.

+ Regresso de Netanyahu? Israel vai às urnas pela quinta vez em quatro anos

A mídia local, citando fontes políticas, disse que o novo governo pode ser formado em meados do mês. Nos últimos anos, coalizões anteriores tiveram maiorias mais estreitas, que as tornaram vulneráveis ​​a moções de desconfiança.

A ascendência de Ben-Gvir despertou alarme entre a minoria árabe de 21% e judeus de centro-esquerda – e especialmente entre os palestinos cujas negociações de Estado, mediadas pelos Estados Unidos, fracassaram em 2014.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.