Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Aliado à extrema-direita, Netanyahu volta ao cargo de premiê de Israel

Com 99,5% das urnas apuradas, resultados apontam a formação do governo mais à direita da história do país

Por Da Redação
Atualizado em 3 nov 2022, 18h27 - Publicado em 3 nov 2022, 15h53

O primeiro-ministro de Israel, Yair Lapid, ligou para Benjamin Netanyahu para parabenizá-lo pela vitória nas eleições do país, pouco menos de 48 horas após o encerramento da votação, anunciou o gabinete nesta quinta-feira, 3.

Com 99,5% dos votos apurados, as projeções apontam que Netanyahu e partidos aliados terão 64 dos 120 assentos no Knesset, parlamento israelense, sendo 31 para o seu partido, o Likud, 19 para partidos ultraortodoxos e um recorde de 14 para o Sionismo Religioso, de extrema direita. Completam as cadeiras o partido de Lapid, que deve ficar com 51, e a legenda árabe Hadash/Taal, com cinco. 

+ Regresso de Netanyahu? Israel vai às urnas pela quinta vez em quatro anos

Após a quarta eleição nos últimos cinco anos, Netanyahu já negocia uma coalizão com o Sionismo Religioso, o que pode resultar na criação do governo mais à direita da história de Israel e trazer uma relativa estabilidade política pela primeira vez desde 2019. 

O forte crescimento da direita radical está diretamente relacionado ao sentimento de insegurança que assolou o país devido a uma série de conflitos violentos com a Palestina, ocorridos em maio de 2021. Esse sentimento se fortaleceu ainda mais após a inclusão de um partido árabe no Parlamento pela primeira vez na história. 

Com a confirmação da vitória, o presidente de Israel tem até 16 de novembro para encarregar o novo primeiro-ministro de formar um novo governo e, caso as negociações sejam bem sucedidas, Netanyahu confirma sua volta ao poder pouco mais de um ano depois de ser afastado do cargo. 

Continua após a publicidade

Julgado por acusações de corrupção, ele afirma que não usará sua autoridade para reverter esse processo. No entanto, alguns de seus parceiros disseram que vão tentar legalizar um dos crimes que ele é acusado de cometer, ou mesmo para encerrar o julgamento por completo.

+ Aliado de extrema direita de Netanyahu promete ‘impor ordem’ em Israel

Apesar de ter sido a principal figura do governo israelense ao longo dos últimos anos, a sua decisão de se aliar à extrema-direita leva Israel para um caminho ainda desconhecido. Um dos objetivos dos novos aliados é enfraquecer e reformar o sistema de Justiça do país, dando aos políticos mais controle sobre as nomeações judiciais e afrouxando a supervisão do processo parlamentar pela Suprema Corte.

Outro fator que gera preocupação é a opinião dos políticos de extrema-direita em relação aos árabes. Eles querem acabar com a autonomia palestina em partes da Cisjordânia ocupada e têm um histórico de antagonizar a minoria palestina dentro de Israel, que levantou temores de que o novo governo possa aumentar ainda mais as tensões entre judeus e árabes em Israel.

Esses fatores levam a um provável problema também na política externa, uma vez que alguns aliados internacionais apoiam a solução de dois Estados para acabar com os conflitos históricos na região. Desse modo, apaziguar políticos linha-dura em seu território e, ao mesmo tempo, lidar com parceiros globais pode ser um caminho difícil para o novo primeiro-ministro. 

Continua após a publicidade

Mesmo os Estados Unidos, aliado fundamental de Israel, já deixaram claro, por meio de seu Departamento de Estado, que o presidente Joe Biden não está satisfeito com os prováveis membros da coalizão.

+ Ex-premiê israelense Netanyahu é hospitalizado após sentir dores no peito

“Esperamos que todos os funcionários do governo israelense continuem compartilhando os valores de uma sociedade aberta e democrática, incluindo tolerância e respeito por todos na sociedade civil, particularmente por grupos minoritários”, disse o porta-voz do departamento, Ned Price, quando questionado sobre a eleição na quarta-feira 2.

A votação da última terça-feira atraiu o maior número de eleitores desde 2015. De acordo com o Comitê Eleitoral, mais de 71% dos israelenses compareceram à votação. No entanto, a participação entre a comunidade árabe-israelense, de tendência anti-Netanyahu, foi inferior a 45%, segundo a Universidade Hebraica. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.