Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Acordo para cessar-fogo não significa fim da guerra, reforça Netanyahu

Declaração de primeiro-ministro israelense se dá em meio às negociações de acordo que também envolve troca de prisioneiros por reféns

Por Da Redação
21 nov 2023, 17h24

Em meio a declarações de fontes ligadas ao governo de Israel e ao grupo militante palestino Hamas de que um acordo para uma trégua em Gaza pode ser anunciado em breve, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, prometeu nesta terça-feira, 21, continuar a guerra, dizendo que qualquer cessar-fogo temporário para libertar reféns não significa o fim de confrontos.

“Há conversas absurdas lá fora de que depois da libertação de nossos raptados iremos parar a guerra”, disse Netanyahu antes de uma esperada votação do gabinete, segundo a rede americana CNN. “Então quero deixar claro: Estamos em guerra, vamos continuar em guerra, vamos continuar em guerra até alcançar nossos objetivos. Vamos destruir o Hamas, vamos trazer de volta nossos raptados e desaparecidos e vamos garantir que em Gaza não haja ninguém que seja uma ameaça a Israel”.

Por volta das 15h de Brasília, o governo de Israel começou uma reunião para discutir e provavelmente anunciar o acordo sobre a libertação de dezenas de reféns. Antes da reunião, houve um encontro do gabinete de guerra e do gabinete de segurança para a aprovação preliminar da decisão.

Anteriormente, durante um encontro com reservistas no sul de Israel, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que “estamos avançando” em direção a um acordo. Um alto funcionário do governo israelense também afirmou que as autoridades estavam “muito perto de um acordo” à televisão israelense Canal 12.

“Acho que não deveria falar muito, mesmo agora, mas espero que tenhamos boas notícias em breve”, disse Netanyahu.

Continua após a publicidade

+ Ataque de Israel matou dois jornalistas e um civil no Líbano, diz governo

Analistas acreditam que ainda há questões técnicas a resolver, mas que existe um acordo para que pelo menos 50 reféns sejam libertados em troca de um cessar-fogo temporário.

De acordo com o relatório do gabinete do primeiro-ministro, espera-se que os prisioneiros serão soltos em fases, ao longo de vários dias. O grupo inclui cerca de 40 crianças, suas mães e outras mulheres. Em troca, Israel libertaria cerca de 300 palestinos encarcerados em suas prisões, entre eles mulheres, crianças e adolescentes.

A decisão também prevê um cessar-fogo na guerra. Segundo relatos da mídia local, Israel também deixaria de usar drones para monitorar partes de Gaza durante várias horas por dia durante o período de armistício.

Continua após a publicidade

+ Líder do Hamas diz que está ‘perto’ de acordo para cessar-fogo com Israel

O apoio do gabinete é necessário para aprovar qualquer acordo para troca de prisioneiros. Em linha com uma alteração de 2014 à Lei do Governo, o gabinete é obrigado a carimbar a libertação antecipada dessas pessoas.

A libertação antecipada só é possível sob condições rigorosas de segurança nacional ou de relações externas, incluindo a libertação de cidadãos ou residentes israelenses mantidos como reféns, ou como parte de um acordo de política externa.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.