Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Zâmbia em êxtase recebe os heróis da CAN

Por Por Obert SIMWANZA 13 fev 2012, 14h38

Milhares de torcedores em festa receberam nesta segunda-feira a seleção da Zâmbia no aeroporto de Lusaka, um dia depois da primeira vitória da equipe na Copa Africana de Nações (CAN), contra a Costa do Marfim (8 a 7 nos pênaltis), em Libreville.

Apesar do calor intenso, uma multidão começou a se reunir às 6H00 da manhã (2H00 no horário de Brasília), para garantir que não perderiam a chegada dos jogadores.

O avião dos ‘Chipolopolo’ pousou às 15H00 (13H00 de Brasília).

“Os meninos merecem nossa homanegem”, entusiasmou-se Anthony Kabwe, enquanto Catherine Mbao se emocionava por ter visto com seus próprios olhos a taça da CAN: “Eu vi o troféu aqui pertinho”.

Na saída do aeroporto, os jogadores pegaram um ônibus que percorreu todo o caminho tomado pela multidão, vestida com as cores da bandeira da Zâmbia e que cantava, incansavelmente ao som das vuvuzaleas, a glória dos vencedores.

Nenhum incidente foi registrado no local até o fim desta tarde. A polícia esteve presente em massa para evitar problemas, como os que fizeram 11 mortos nas comemorações anteriores.

“Nós temos um novo governo, e as coisas começam a tomar o rumo certo”, disse Angela Chanda, eufórica com a vitória no futebol e na política, com a eleição a presidência do candidato de oposição Michael Sata.

Continua após a publicidade

“Meu herói é Mweene, foi ele que nos fez ganhar”, acrescentou Angela, elogiando as façanhas do goleiro da seleção que, além de fecharo gol durante os 120 minutos da partida, converteu sua cobrança na disputa de pênaltis antes de defender o chute de um adversário.

Os torcedores atribuem a vitória ao espírito das vítimas de um acidente de avião sofrido pela equipe nacional em 1993.

“Desde o início, eu sabia que a Zâmbia ia ganhar, porque este é o lugar onde descansam nossos pais, no Gabão”, afirmou o torcedor Michael Mwale.

Em 1993, o avião que transportava a seleção da Zâmbia caiu no Gabão, país anfitrião desta CAN-2012. Na semana anterior a final, os jogadores fizeram um tributo emocionante aos seus antecessores, buscando nesta memória a inspiração.

Em Lusaka, muitos torcedores festejaram o título cantando no dialeto local uma música composta especialmente para a ocasião: “Nossas lágrimas para a equipe que morreu no Gabão terão agora um sabor mais doce graças à vitória da Zâmbia”

Milhares de pessoas, antes da chegada da seleção, visitaram os túmulos dos 18 jogadores mortos em 1993 para rezarem.

“Estes homens batalharam para vencer este combate depois de anos de esforços ininterruptos” , comentou Amon Banda, um outro torcedor.

“Os heróis mortos nos ajudaram a chegar lá, e agora eles podem descansar em paz”, acrescentou outro, Brenda Mwale.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês