Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Vila Nova exige multa de R$ 300 mil para liberar Patric

Por Da Redação 11 jun 2012, 14h57

O futuro do atacante Patric segue indefinido. A única certeza que se tem é que o artilheiro do goiano não jogará o Campeonato Brasileiro da Série C pelo Vila Nova. A liberação do atleta, que pretendia jogar a Série B pelo arquirrival Goiás, só acontecerá se os R$ 300 mil da multa rescisória forem depositados na conta do Tigre.

Na quarta-feira passada, 6 de junho, o atacante se reuniu com presidente do clube, Marco Martinez, e apresentou documento com a proposta que havia feito para o Goiás. O próprio jogador ofereceu-se ao clube esmeraldino por R$ 4 mil a mais do que o atual salário no Vila. Já naquela tarde o gerente de futebol Carlos Eduardo Pereira afirmou que não havia clima para que ele permanecesse no clube. A decisão da diretoria já foi comunicada ao técnico Robélio Schneiger, que também já admite que atacante está fora dos planos.

A tendência, agora, é que o caso vá mesmo para a Justiça, provando verdadeira a previsão de Pereira para a GE.net, na quarta. O clube contesta a validade do contrato apresentado por Patric, assinado pelo ex-presidente Eduardo Barbosa e que lhe daria direito de ser liberado em caso de proposta de clubes de série A ou B. O atacante, aliás, não atende o telefone desde que saiu da reunião com o presidente Martinez e também não entrou mais em contato com a diretoria.

‘O departamento jurídico entende que esse contrato não tem legalidade. A gente só liberaria caso fosse uma decisão da Justiça, ou se alguém depositasse a multa de R$ 300 mil. Quem tiver interesse é só depositar, inclusive o Goiás’, afirmou o mandatário colorado em emtrevista coletiva concedida no CT Toca do Tigre, na quinta, exibindo os documentos de registro do contrato de trabalho do jogador na Federação Goiana de Futebol.

Continua após a publicidade
Publicidade