Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Técnico gremista detecta problemas emocionais no Grêmio

Por Da Redação 28 jul 2011, 08h11

O time do Grêmio errou passes em grande escala, passes que não podiam ser errados. Desperdiçou chutes que não podiam ser errados. Não se impôs dentro do Olímpico como tem que se impor. Não venceu como tinha que vencer. A equipe foi uma avalanche de ‘nãos’ no empate por 1 a 1 com o América-MG, em uma noite que bastaria um sim para deixá-la mais agradável.

Os erros de execução e/ou de decisão dentro de campo não preocupam tanto quanto o que se passa pela cabeça dos jogadores. A sensibilidade do técnico Júlio Camargo detectou problemas emocionais no seu ambiente de trabalho. Questões que não estão ligadas diretamente aos fundamentos do futebol, mas que influenciam no resultado final de uma partida.

‘Temos que ter mais tranquilidade, quando se pára duas ou três vezes na cara do goleiro, tem que ter mais tranquilidade para fazer o gol’, comentou o treinador após o jogo, lamentando alguns lances desperdiçados. ‘Nosso vestiário está machucado. Essa situação de trabalhar muito tenso reflete no momento final. A carga emocional está aqui dentro. Está no torcedor, está no ambiente. Temos que saber trabalhar isso’, diagnosticou.

A tensão esteve presente nos corredores do Olímpico após o empate de quarta-feira. Geralmente rápidos para aparecerem para conceder entrevistas, dirigentes e o treinador demoraram quase uma hora para darem suas explicações por mais um fracasso no Brasileirão.

Com quase um mês no clube, o trabalho de Camargo ainda não encaixou. Exceção feita ao segundo tempo diante do Coritiba, em sua segunda partida, a equipe não teve um rendimento próximo do que se espera. Nos dois últimos embates tempo para trabalhar não faltou. Foram dez dias de treinos antes do 0 a 0 com o Figueirense e mais uma semana antes de encarar o Coelho, em casa. No geral, o técnico tem quatro jogos, uma vitória, dois empates e uma derrota.

O mau tempo não afeta a confiança do treinador. Ele quer fazer do meio dos raios e trovões surgir o sol no céu azul. Pela primeira vez treinando em um clube de elite, Camargo mostra personalidade diante da primeira grande dificuldade.

‘Nunca fui treinador que tive medo dos enfrentamentos. Por não ter ganhado em casa. É momento mais tenso dos 25 dias que estou aqui. Trabalhamos num campeonato de idas e vindas. Não tenho medo do que vem pela frente’, garantiu.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês