Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Corpos em evidência: debate das mudanças de gênero no esporte ganha força

Ao criticar a participação de mulheres trans em torneios de surfe, uma renomada campeã americana trouxe o assunto de volta à tona

Por Marilia Monitchele
26 fev 2023, 08h00

A surfista americana Bethany Hamilton, de 33 anos, é uma celebridade sobre as ondas — em 2003, depois de ser atacada por um tubarão no Havaí, ela teve o braço esquerdo amputado. Voltou a competir e chegou a ganhar algumas baterias, celebrada como heroína. Há alguns dias, já longe do circuito profissional, mas na ribalta de palestras e torneios para os quais é convidada especial, ela provocou espessa espuma com um ruidoso comentário. Instada a comentar a liberação de atletas transgênero em campeonatos da liga mundial da modalidade, a WSL, ela não vacilou ao criticar a iniciativa. Disse “amar todas as pessoas e humanos independentemente de quaisquer diferenças”, mas se mostrou “preocupada” com a decisão. “Acho que a melhor solução seria criar uma divisão diferente para que todos possam ter uma oportunidade justa de mostrar sua paixão e talento — e acho muito difícil imaginar como será o futuro do surfe feminino dentro de quinze ou vinte anos se seguirmos em frente, permitindo essa grande mudança”, ela postou nas redes sociais.

PIONEIRISMO - Laurel Hubbard, da Nova Zelândia, a primeira declaradamente transgênero em Olimpíada: sem pódio -
PIONEIRISMO - Laurel Hubbard, da Nova Zelândia, a primeira declaradamente transgênero em Olimpíada: sem pódio – (Chris Graythen/Getty Images)

A postura de Bethany — a sugerir que pessoas que nasceram biologicamente homens não possam competir com esportistas do sexo feminino, e ao propor o caminho da exclusão em disputas específicas para esse grupo — provocou grita inédita. Quem a defende brande um argumento simples: as diferenças de biologia e anatomia, mesmo depois da transição de gênero, persistiram. Para os defensores dessa tese, quem atravessou a puberdade movida a testosterona seria naturalmente mais forte fisicamente. Na defesa da diversidade, haveria uma desigualdade. De causa justa e humana, a luta pela aceitação e pelo respeito de pessoas que têm identidades sexuais diferentes da própria biologia poderia se transformar em injustiça. “Eu apoio você, Bethany”, escreveu nas redes sociais a esquiadora medalhista de ouro olímpica Julia Mancuso. “Obrigada por falar por todas as mulheres e meninas por aí. Todas essas são perguntas interessantes para navegar nesse tópico difícil, e esperamos poder continuar lutando pelo futuro dos esportes femininos.” O ex-campeão de surfe Shane Dorian também saiu em defesa de Bethany. “Não dê ouvidos às pessoas que lançam a palavra transfóbica para qualquer pessoa cujas crenças não se alinham com as delas. São problemas complicados, sem solução clara. Há muitas pessoas que amam e apoiam a comunidade trans que concordam com você sobre essas questões.”

O raciocínio de que homens trans podem ter vantagens no esporte, aceitável do ponto de vista da medicina, pede um olhar cientificamente mais aprofundado, que não fique apenas na superfície — mas, ao colidir com a atual e bem-vinda postura global de respeito às diferenças e às vontades individuais, foi levado ao cadafalso, e com razão. A surfista e professora canadense Leah Nicole Tisdale assustou-se com o apoio ao ideário de quem se postou ao lado de Bethany — invariavelmente conservadores, para quem há uma “agenda trans” que precisaria ser condenada. Não há. “Os comentários me fizeram lembrar da ‘agenda negra’ durante a luta pelos direitos civis nos Estados Unidos e da ‘agenda feminista’ nos anos 1960, olhadas de modo pejorativo e que eram apenas um grito de liberdade”, disse Leah Nicole.

Continua após a publicidade
FORÇA - A supercampeã sul-africana Caster Semenya, dos 800 metros rasos: disfunção hormonal identificada -
FORÇA - A supercampeã sul-africana Caster Semenya, dos 800 metros rasos: disfunção hormonal identificada – (Cameron Spencer/Getty Images)

É inegável que homens e mulheres têm desempenhos diferentes. O período da puberdade é central para a demarcação dessas distinções. Na puberdade masculina, é a testosterona que garante o aumento da densidade óssea, da massa muscular, da altura e do tamanho dos membros. Além de produzir mudanças em órgãos como coração, pulmões e na quantidade de hemoglobina presente no sangue, fatores que podem contribuir para o aumento significativo da performance esportiva. Mulheres trans que passaram pela puberdade masculina, em tese, manteriam boa parte desses benefícios. O que de fato pode acontecer. A estatura e o tamanho de órgãos e membros, por exemplo, não são revertidos com a transição hormonal. É possível, portanto, que a estrutura corporal que resiste à hormonização — o estrogênio feminino em vez da testosterona masculina — se torne uma vantagem em alguns esportes. Contudo, é sempre bom lembrar, a medição de testosterona, a régua pela qual as federações de esporte aceitam ou barram mulheres trans, é apenas um dos aspectos a ser estudados. Há nuances que fazem toda a diferença — e um esportista trans pode entrar nas quadras e pistas em desvantagem, e não com indevida vantagem. Seria reducionista atribuir a performance de uma atleta exclusivamente ao seu corpo, negando as habilidades desenvolvidas com treinamento e preparo. “A testosterona não é o único fator definidor de sucesso no esporte, é fundamental considerar também a biologia e o ambiente da sociedade”, explica Erik Giuseppe Barbosa, professor da Escola de Educação Física e Desportos da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Dito de outro modo: uma mulher trans em meio a mulheres cisgênero não é certeza de vitória. Certo mesmo, por ora, é a polêmica.

DOPING MECÂNICO - Pistorius, em 2012: a prótese de titânio não fez diferença -
DOPING MECÂNICO - Pistorius, em 2012: a prótese de titânio não fez diferença – (sampics/Corbis/Getty Images)

Fez barulho a participação da levantadora de peso da Nova Zelândia Laurel Hubbard, a primeira atleta declaradamente transgênero a competir numa Olimpíada (ela não subiu ao pódio). Ganhou destaque a força da jogadora de vôlei trans Tiffany Abreu, que pontuava mais do que suas companheiras e que recebeu do treinador Bernardinho um comentário preconceituoso, ao ver um de seus times derrotado pela equipe de Tiffany, pelo qual ele se desculparia depois: “Um homem. É f***”. Mas nada se compara à fama da sul-africana Caster Semenya, campeã olímpica e mundial dos 800 metros rasos, mulher que nasceu com traços intersexuais — ou seja, seu corpo produz níveis atípicos de testosterona.

DESAFIO - Tiffany Abreu: incômodo nas quadras com o excesso de pontos -
DESAFIO - Tiffany Abreu: incômodo nas quadras com o excesso de pontos – (@tifannyabreu10/Instagram)

A discussão vai longe — o que se exige, apenas, é o cuidado com a inclusão, o fim de todo preconceito e o conhecimento científico. O resto é muito barulho por nada. Há um ponto fundamental, caminho para reduzir o espanto. O Comitê Olímpico Internacional liberou a participação de esportistas trans, com testosterona controlada, em 2003. Mais de 63 000 atletas chegaram ao patamar olímpico. Nesse período, duas mulheres trans competiram em Olimpíadas e nenhuma ganhou medalha. “A debatida superioridade não se evidencia em dados”, diz o médico endocrinologista Henrique Cecotti. Nem mesmo o velocista paralímpico Oscar Pistorius — que ficaria tristemente famoso acusado de ter matado a namorada — fez valer a vantagem de correr com pés mecânicos, de titânio, nos Jogos de 2012, em meio a atletas aptos. Dizia-se que a prótese o faria mais rápido. Não foi o que aconteceu. Na celeuma dos esportistas trans, convém deixar os exageros e as ideias preconcebidas de lado e refletir mais sobre a questão.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 1º de março de 2023, edição nº 2830

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.