Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Radialista é demitido após ataque a Greta Thunberg: ‘Passei do ponto’

Gustavo Negreiros disse que a ativista de 16 anos está 'precisando de sexo'; o programa de rádio, em dois dias, perdeu três dos quatro patrocinadores

Por Eduardo F. Filho - Atualizado em 26 set 2019, 18h02 - Publicado em 26 set 2019, 13h52

O jornalista e advogado Gustavo Negreiros viu sua vida mudar nos últimos dois dias. Durante a transmissão do programa 96 Minutos da rádio 96 FM de Natal (RN), ele fez críticas e comentários misóginos sobre a jovem ativista Greta Thunberg, de 16 anos. Segundo ele, a garota “está precisando de sexo”. Foi demitido. Dois dias depois do ocorrido, a VEJA, o radialista fez um mea-culpa: “Estou pagando pelo meu erro”. 

“Ela é mal-amada. Se ela também não gosta de homem, que ela pegue uma mulher, se ela for lésbica. Ela está precisando de sexo. Ela é uma histérica mal-amada”, gritou na ocasião. A sua colega de bancada, tentou, sem sucesso, dizer que as palavras não tinham a “menor noção”. Gustavo completou: “Vá fumar o seu baseadozinho, sua maconha, de volta para a Suécia”. Confira o vídeo do momento:

A fala de Negreiros gerou revoltas nas redes sociais. O programa perdeu dinheiro com o caso: a Unimed Natal, uma das principais patrocinadoras, decidiu sair de cena, assim como a empresa de implantes dentários Oral Sin Natal, que também retirou o patrocínio.  

Publicidade

“Eu estou vivendo em um turbilhão. Estou triste e muito abalado. Fiz um comentário infeliz, já perdi dois empregos, minha vida foi destruída. Passei do ponto, não consigo me enxergar nas palavras que disse”, disse Negreiros.

O jornalista foi demitido da rádio nesta quarta-feira, 25. Antes de sair, pediu desculpas no ar: “Eu, de fato, não estava preparado para o comentário, porque tem algumas informações que eu não sabia. Antes de qualquer coisa eu digo que errei”, afirmou na ocasião.

Greta Thunberg, que já foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz, é portadora de um tipo de autismo e se notabilizou por ser a líder de uma mobilização espontânea feita por jovens na Suécia para alertar sobre os perigos do aquecimento global. Por isso, está sendo alvo de ataques de políticos brasileiros e ao redor do mundo.

Publicidade

Recentemente, a garota, que deu uma entrevista exclusiva a VEJA para as Páginas Amarelas, acusou os líderes mundiais de terem traído sua geração por meio da falta de ação diante do aquecimento global, ao se dirigir ao plenário da Cúpula da Ação Climática das Nações Unidas: “Vocês roubaram meus sonhos e minha infância com suas palavras vazias.”

Publicidade