Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Morre o crítico de cinema Rubens Ewald Filho, aos 74 anos

Jornalista estava internado em estado grave desde o dia 23 de maio no Hospital Samaritano, em São Paulo

Por Redação - Atualizado em 19 jun 2019, 22h52 - Publicado em 19 jun 2019, 17h50

Morreu na tarde desta quarta-feira, 19, o crítico de cinema e jornalista Rubens Ewald Filho, aos 74 anos. A informação foi confirmada a VEJA pelo ator Germano Pereira e pela produtora cultural Bia Venturini, amigos do crítico.

Ewald Filho estava internado em estado grave desde o dia 23 de maio, no Hospital Samaritano, em São Paulo, após sofrer um desmaio seguido de queda em uma escada. Marta Giovanelli, assistente do jornalista, afirmou que a queda foi causada por uma arritmia cardíaca.

O velório será nesta quinta-feira, 20, na Cinemateca Brasileira, das 7h as 15h. O enterro será no Cemitério dos Protestantes as 16h.

Nascido em Santos, Rubens Ewald Filho era considerado um dos maiores nomes da crítica cinematográfica do país. Ainda criança, criou o hábito de anotar todos os filmes que via em um caderno, incluindo o nome do diretor, elenco, roteirista e outras informações.

Publicidade

Iniciou carreira escrevendo para o jornal A Tribuna, de sua cidade natal, e trabalhou em redações de publicações como Jornal da Tarde e O Estado de S.Paulo. Foi colaborador de VEJA nos anos 1990. Nos anos 1970, começou a se dedicar ao cinema, primeiro como ator, em filmes como As Gatinhas (1970) e, depois, como roteirista. Em 1977, escreveu Dicionário de Cineastas, obra de referência para os críticos do ramo.

Também desenhou uma trajetória como telenovelista, com produções como Éramos Seis (1977), Gina (1978) e Drácula, uma História de Amor (1980). Sua última novela foi Iaiá Garcia, para a TV Cultura, em 1982.

Foi diretor de programação e produção da HBO no Brasil e apresentador de programas em emissoras como TV Cultura, Record, Band e no canal pago TNT. Tornou-se amplamente conhecido, porém, por comentar as cerimônias do Oscar, desde 1983 — primeiro na Globo, depois no SBT e, atualmente, no TNT — e por ter assistido a mais de 35.000 filmes.

No Oscar de 2018, Ewald Filho se envolveu em uma controvérsia ao falar sobre a atriz transgênero Daniela Vega, do longa chileno Uma Mulher Fantástica. O jornalista foi chamado de transfóbico ao comentar: “Essa moça, na verdade, é um rapaz”. Em entrevista a VEJA, o crítico se defendeu, afirmando tinha se confundido com “termos técnicos de expressão, mas nunca, em hipótese alguma, uma atitude sexista e transfóbica”.

Publicidade

No começo deste ano, Ewald Filho ganhou um quadro no canal no YouTube do TNT. Em Rubens Responde, o crítico falou sobre filmes, claro, mas também sobre música, empoderamento feminino e fofocas de Hollywood.

Publicidade