Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mangueira desfila com imagem de Crivella em uma réplica de Judas

Escola fez duras críticas ao prefeito do Rio, que cortou pela metade a verba para as escolas de samba, e arrancou aplausos do público

Penúltima escola a desfilar na primeira noite do grupo especial, a Estação Primeira de Mangueira não poupou o prefeito Marcelo Crivella de críticas. A escola, que passou pela Sapucaí com o samba-enredo “Com dinheiro ou sem, eu brinco”, fez críticas à decisão do prefeito de cortar pela metade a verba para as escolas de samba.

Em um dos carros da escola, uma foto de Crivella foi colada a uma réplica de Judas, uma referência à promessa do prefeito, durante a campanha eleitoral em 2016, de que manteria a subvenção ao Carnaval. No pescoço do boneco, estava pendurada uma placa onde se lia “Pega no ganzá”, trecho da música que ele, então candidato, cantou na Liga das escolas de Samba quando foi pedir o voto dos carnavalescos.

Veja também

A garantia, que depois não foi cumprida, fez com que o político conseguisse o apoio dos dirigentes durante a disputa. Na alegoria, que tem um diabo como destaque, também estava escrita a mensagem: “prefeito, pecado é não brincar o Carnaval”. Em outro carro, uma réplica de cristo coberto por um plástico preto carregava uma faixa onde se lia “Olhai por nós, o prefeito não sabe o que faz”.

As alegorias com as críticas arrancaram muitos aplausos do público, que apontava e fotografava as imagens representadas. Os foliões cantaram com entusiasmo o refrão “Eu sou Mangueira senhor, não me leve a mal. Pecado é não brincar o Carnaval”.

A Mangueira não foi a única se rebelar contra políticos nesse primeiro dia do grupo especial na Sapucaí. Mais cedo, a Paraíso do Tuiuti cruzou a avenida com uma forte crítica ao trabalho escravo e à reforma trabalhista aprovada no governo de Michel Temer. Um dos carros tinha como destaque um vampiro-presidente.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Todo mundo sabe que essas escolas de samba sempre foram parte do ecossistema do crime no Rio de Janeiro (e em outras cidades também). Alimentar isso aí é alimentar o vício, o tráfico, a prostituição, a violência, a corrupção, e fortalecer o controle que os criminosos têm sobre a vida dos dos cidadãos. Crivella, realmente, é muito corajoso.

    Curtir

  2. Bom dia. Pois é…as escolas de samba que criticaram o corte de verba, vão levar chumbo grosso. Elas não têm que receber dinheiro público não, tem que correr atrás de patrocinadores, das celebridades que adoram desfilar. Fazer bonito com chapéu dos outros é fácil. 100% de dinheiro privado para o próximo ano. DINHEIRO PÚBLICO TEM QUE IR PARA OS HOSPITAIS, ESCOLAS E SEGURANÇA.

    Curtir

  3. ENTRE DAR DINHEIRO PARA AS ESCOLAS DE SAMBA E DAR DINHEIRO PRA SAUDE E EDUCAÇÃO ..FICO COM A SEGUNDA OPÇÃO

    Curtir

  4. Faltou dizer uma coisa……

    Todos sabemos que as escolas de samba sempre foram ligadas ao jogo do bicho, ao tráfico e a tantas outras coisas ruins.
    Por seu lado, Marcelo Crivella é ligado ao que há de mais porco, nojento e imundo que se possa imaginar.

    Curtir

  5. Empatado.

    Curtir

  6. Jogo empatado.

    Curtir