Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Entenda como funciona o desempate do Carnaval de São Paulo

Embora não entre na soma de pontos, menor nota atribuída por um dos quatro jurados em cada quesito é levada em conta para desequilibrar a disputa

Por Da Redação - Atualizado em 13 fev 2018, 23h30 - Publicado em 13 fev 2018, 21h44

Embora quatro escolas de samba tenham somado 270 pontos na apuração do Carnaval de São Paulo, somente uma pôde comemorar o título de campeã. A Acadêmicos do Tatuapé ganhou da Mocidade Alegre, Mancha Verde e Tom Maior nos critérios de desempate.

Todos os nove quesitos são avaliados por quatro jurados e a menor nota é descartada para a soma da pontuação. Apesar disso, esta nota é levada em conta para desempatar a disputa.

A sequência de quesitos que pesam para o desempate é a ordem inversa em que são anunciados. Ou seja, o último critério apresentado é o primeiro a desequilibrar e assim sucessivamente.

As notas foram anunciadas nesta sequência: evolução, bateria, enredo, samba de enredo, fantasia, comissão de frente, alegoria, harmonia e mestre-sala e porta-bandeira.

Publicidade

Com notas idênticas nos últimos quesitos, a Acadêmicos do Tatuapé levou vantagem em alegoria (superando Tom Maior e Mancha Verde, que receberam um 9,9) e fantasia (em que a Mocidade Alegre também teve um 9,9).

No Sambódromo do Anhembi, a escola campeã homenageou o Maranhão e sua cultura local. O desfile foi assinado pelo carnavalesco Wagner Santos e teve a participação de 2.761 componentes, divididos em 26 alas e cinco carros alegóricos.

A ala das baianas homenageou a Floresta dos Guarás, uma das maiores reservas florestais do estado. O Palácio dos Leões, sede do governo, e outros pontos turísticos da capital São Luís, foram representados nas alegorias.

 

Publicidade