Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Quatro chapas disputam a reitoria da USP

Três delas têm à frente docentes que integram a administração Rodas

Por Da Redação
16 out 2013, 10h58

Quatro chapas concorrem à gestão da reitoria da Universidade de São Paulo (USP) – três delas encabeçadas por professores que integram a administração de João Grandino Rodas, o atual reitor. O Diretório Central de Estudantes (DCE), a Associação de Docentes e o Sindicato dos Trabalhadores da USP não manifestaram, até o momento, apoio a nenhum candidato.

Leia também:

USP cai em ranking e Brasil deixa elite universitária global

Continua após a publicidade

Queda da USP é “revés para imagem do Brasil”, diz especialista

Continua após a publicidade

Justiça dá 60 dias para ‘desocupação voluntária’ na USP

Na disputa pela gestão da maior universidade do país, estão o último vice-reitor, Hélio Nogueira da Cruz; o ex-diretor da Escola Politécnica, José Roberto Cardoso; e o último pró-reitor de pesquisa, Marco Antonio Zago. Todos tiveram de deixar seus cargos para concorrer.

A surpresa na disputa é o geógrafo Wanderley Messias da Costa, que assume o discurso de continuidade e cuja candidatura foi articulada por um grupo de professores ligados à gestão Rodas.

Continua após a publicidade

O eleito terá pela frente muitos desafios, entre eles o de recolocar a USP na elite do ensino superior mundial. No último ranking da revista britânica Times Higher Education (THE), a mais importante avaliação de universidades do mundo, a USP perdeu mais de sessenta posições. Depois de ocupar o 158º lugar em 2012, a instituição aparece agora listada entre a 226ª e a 250ª posições – após a 200ª colocação, as universidades são reunidas em grupos de 25.

Propostas – Descentralizar a estrutura de poder, incrementar os cursos de graduação e internacionalizar a universidade são propostas comuns aos candidatos. Outro ponto de preocupação é o equilíbrio orçamentário da USP, que tem usado reservas financeiras para pagar os salários de professores e funcionários. Os candidatos defendem a política de bonificação, mas não cogitam adotar cotas.

Veterano nos setores administrativos da universidade, Hélio Cruz aposta em sua experiência como diferencial. Para ele, após a série de obras e reformas conduzidas por Rodas, a instituição precisa investir mais em projetos acadêmicos.

Continua após a publicidade

Embora reconheça avanços, José Roberto Cardoso é um dos mais críticos à atual gestão e se queixa dos problemas recorrentes de comunicação entre reitoria e unidades. “Queremos acabar com a política do �toma lá, dá cá�, de alguns privilegiados”, afirma. Uma de suas plataformas é a modernização dos cursos e laboratórios e o aprimoramento do ensino a distância.

Marco Antonio Zago também quer priorizar a graduação, com o uso de tecnologias, treinamento de docentes e combate à evasão de alunos. “O atual formato de ensino está ultrapassado”, diz. Ele propõe parcerias com grupos de pesquisa estrangeiros para incentivar intercâmbios.

Wanderley Costa pretende ser o primeiro docente da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas a comandar a USP. Segundo ele, a facilidade de articular atores internos e externos à universidade é um ponto a seu favor. Uma de suas propostas é criar uma assessoria especial para questões comunitárias, associativas e sindicais.

Continua após a publicidade

O resultado da consulta informativa – que não tem caráter decisório – realizada com alunos, funcionários e professores da USP será divulgada em 14 de dezembro, cinco dias antes da eleição.

Leia também:

USP cai em ranking e Brasil deixa elite universitária global

Queda da USP é “revés para imagem do Brasil”, diz especialista

Justiça dá 60 dias para ‘desocupação voluntária’ na USP

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.