Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

O que está por trás da falta de questões para o Enem 2022

Pré-testes de itens foram realizados, mas baixa adesão à prova não permitiu repor banco com perguntas da prova

Por Ricardo Ferraz Atualizado em 3 Maio 2022, 20h39 - Publicado em 3 Maio 2022, 17h49

A edição de 2022 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) enfrenta um problema de falta de questões para a composição da prova. O Banco Nacional de Itens vive uma escassez sem precedentes, segundo servidores do Inep ouvidos por VEJA, porque as perguntas criadas para repor o estoque não foram previamente testadas.

Historicamente, esses pré-testes são feitos no prêmio Talento Universitário, destinado aos calouros do terceiro grau, conforme revela o livro “O roubo do Enem”, da jornalista Renata Cafardo. O programa é escolhido porque tem público semelhante, ou seja, formado por pessoas que não devem mais prestar o exame porque acabaram de entrar na faculdade, mas ainda não adquiriram novos conhecimentos para responder às questões com mais facilidade.

Segundo informações internas, alguns itens chegaram a ser testados na edição deste ano do Talento Universitário, mas a adesão foi bem menor do que o esperado. A expectativa era de 44.000 participantes, mas apenas 8.700 pessoas se inscreveram e 3.900 fizeram a prova. Com isso, não foi possível fazer o teste de itens na quantidade suficiente para repor o banco.

O Plano de Ação número 21 do Inep, do ano passado, que trata dos pré-testes, afirma que seria preciso que 88.000 pessoas realizassem os testes, metade para a edição impressa e metade para a versão digital. O alto número de participantes é necessário porque o Inep prepara mais de dez versões diferentes da prova, agrupando questões por disciplina, por tema e por complexidade.

Só assim os técnicos do Inep conseguem identificar o grau de dificuldade de determinada questão para “calibrar” a prova, mesclando questões fáceis com outras mais complexas. Isso é fundamental para determinar a chamada Teoria de Resposta ao Item (TRI), que atribui peso diferente às perguntas, o que torna a classificação dos participantes mais criteriosa.

Continua após a publicidade

Em março, os gestores do Inep recomendaram a reutilização de perguntas de versões anteriores no teste deste ano. “Considerando a possibilidade de reutilizar 4.680 itens, que foram aplicados para milhões de candidatos nas edições realizadas no Enem, não haverá a necessidade de executar novos pré-testes para viabilizar as edições 2022 e 2023”, diz o ofício encaminhado ao presidente do órgão, Danilo Dupas.

Até o momento não foi definido se o Inep vai reutilizar questões de versões anteriores.

 

 

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês