Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Rob Halford, vocalista da Judas Priest: “Assuma quem você é”

Aos 71 anos, cantor conta o segredo para permanecer na estrada há mais de cinquenta anos — e fala sobre o desafio de se revelar gay no mundo do rock pesado

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 jan 2023, 09h48 - Publicado em 17 dez 2022, 08h00

O senhor lidera há mais de cinco décadas o Judas Priest, uma das maiores bandas de heavy metal — e se revelou gay no meio dessa trajetória. O rock pesado superou o preconceito? Não totalmente. O ambiente no heavy metal é muito melhor hoje. Sou aceito quando estou no palco, e a comunidade metaleira tornou-se mais inclusiva. Mas ainda temos um longo caminho a percorrer. Sinto que, desde que me assumi, as coisas melhoraram, mas ainda não 100%.

Para seus fãs, o senhor é o “deus do metal”. Como foi a resposta deles quando se revelou homossexual? Foi linda. Eu estava afastado do Priest porque tinha o pressentimento de que poderia prejudicar a banda. Gostaria de ter feito antes, mas era difícil devido à indústria musical da época. Agora, digo para qualquer um que esteja pensando em expor sua sexualidade: não espere. Não seja prisioneiro em sua própria vida. Assuma quem você é, e assim verá quem realmente o ama.

Há dez anos, o Judas Priest anunciou a turnê de despedida, mas vocês continuam na estrada e farão show no domingo 18 em São Paulo, no festival Knotfest. Por que desistiram de se aposentar? Cogitamos parar porque é preciso estar totalmente comprometido com o trabalho na banda. Dedicação, paixão, desejo — isso faz parte da equação. Mas eu sempre digo que o principal objetivo, e a razão pela qual continuamos na estrada, é que nossos fãs querem que façamos isso. Temos um relacionamento incrível com eles em todo o mundo, particularmente no Brasil. É nossa maior motivação.

O Judas Priest está em turnê com a banda Pantera — cujo cantor, Phil Anselmo, já foi criticado por fazer gestos nazistas em um show. Tocar ao lado deles não o incomoda? Espelho-me no papa João Paulo II, que foi até a prisão onde estava o homem que tentou assassiná-lo e o perdoou. Se você carrega negatividade e ódio, isso só lhe fará mal. Rejeito o nazismo, rejeito o antissemitismo e sei como é ser discriminado. Phil é um bom amigo, amoroso e apaixonado pela música.

Continua após a publicidade

O senhor hoje se tornou um ativista da causa LGBTQIA+. O que pensa da perseguição aos gays por regimes de extrema direita ou pautados pelo fundamentalismo religioso? Odeio quando a política é usada contra pessoas como eu por líderes que só criam raiva e medo na população. É uma coisa terrível. Sou cristão e penso que a religião é sobre amor, paz e aceitação.

Publicado em VEJA de 21 de dezembro de 2022, edição nº 2820

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.