Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ringo Starr faz show mediano e piegas em São Paulo

Com um repertório repleto de covers, o baterista não empolgou, mas deu a oportunidade aos paulistanos de assistirem um beatle em ação

Por Rafael Costa 30 out 2013, 08h44

Ringo Starr é um dos músicos mais sortudos do mundo. Ele pode não ser o melhor baterista da história, nem o melhor cantor ou compositor, mas tem no seu passado a participação no grupo The Beatles, composto pelos talentosíssimos Paul McCartney, John Lennon e George Harrison. Ser um ex-beatle em atividade o valida a estar em um palco e a arregimentar pessoas para vê-lo, como ocorreu na noite da última segunda-feira no Credicard Hall, em São Paulo.

Discreto e até um pouco sem jeito de lidar com o público, o baterista não realizou um grande espetáculo e, ao que parece, continua fazendo música como hobby, apenas para se divertir com os amigos. Com óculos escuros e camiseta preta estampada por uma cruz de Nero, o símbolo maior do movimento hippie, Ringo abusou dos covers e esboçou algumas dancinhas desajeitadas enquanto pregava a paz e o amor.

O show, baseado no DVD Ringo at the Ryman, contou com um setlist repleto de covers, a grande maioria das bandas dos integrantes da All-Starr Band, como Steve Lukather e Richard Page, guitarrista e baixista, respectivamente, dos grupos de pop rock/new wave da década de 1980 Toto e Mr. Mister, além de Todd Rundgreen, da extinta banda de rock progressivo Utopia. Entre as músicas apresentadas estavam Africa, Hold The Line e Broken Wings, que mantiveram a plateia praticamente estática durante boa parte do tempo.

Nesses momentos, o ex-beatle, que deveria ser a grande estrela da noite, ficava em segundo plano ao assumir as baquetas, não como o baterista principal, e sim um segundo instrumentista, que pouco influenciava no som. Em alguns momentos, ironicamente, era possível até esquecer que o show era de Ringo Starr. O repertório de covers piegas, que mais parecia algo preparado para uma festa de formatura, casamento, ou baile da saudade, era quebrado com algumas das poucas composições de Ringo, apresentadas e reproduzidas com carinho por ele, como Photograph, Anthem e It Don’t Come Easy.

O ponto alto da noite, como era o esperado pela maioria presente, foi marcado por covers dos Beatles. Yellow Submarine, I Wanna Be Your Man e With a Little Help From My Friends foram umas das poucas, para não dizer as únicas, que conseguiram animar a plateia. Foi com a música Give Peace a Chance, de John Lennon, que Ringo Starr se despediu do público paulistano que, se não saiu extasiado por um show memorável, ao menos pode dizer que viu um beatle de perto.

Continua após a publicidade
Publicidade