Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Restaurante brasileiro D.O.M. é o 7º entre os 50 melhores do mundo

Negócio do chef Alex Atala era o 18º no ranking divulgado no ano passado. Esta é a primeira vez que ele fica entre os dez primeiros

Por Da Redação 18 abr 2011, 20h44

Liderados pelo brasileiro D.O.M, do chef Alex Atala, que ficou em sétimo lugar, quatro restaurantes latino-americanos aparecem neste ano na lista dos 50 melhores estabelecimentos do mundo, encabeçada pela segunda vez consecutiva pelo dinamarquês Noma. De 18º no ano passado para 7º, o paulistano D.O.M. alcançou uma progressão espetacular e entrou pela primeira vez no Top Ten da prestigiada lista S. Pellegrino 2011, promovida pela revista britânica Restaurant e divulgada nesta segunda-feira à noite em Londres.

Atala, de 42 anos, levou seu restaurante para a elite da gastronomia mundial com uma cozinha que define como “simples e sustentável”, feita a partir de produtos locais, entre eles alguns dos numerosos ingredientes fornecidos pela Amazônia. O chef paulista, considerado por alguns o Ferran Adriá brasileiro – “mas um pouco mais selvagem”, avisa – considera este reconhecimento uma recompensa “à consistência e regularidade” que tenta imprimir à sua cozinha.

Além do D.O.M, outros três restaurantes latino-americanos, dois deles pela primeira vez, conseguiram entrar em 2011 na lista elaborada anualmente por 800 críticos, jornalistas e especialistas internacionais em gastronomia e esperada pelos “gourmets” de todo o mundo.

Dois deles são estreantes, o peruano Astrid y Gastón, do reconhecido chef Gastón Acurio, que alcançou a 42ª posição, e o mexicano Puyol, de Enrique Olvera, que ocupa o 49º lugar.

O também mexicano Biko passou em seu segundo ano de 46º a 31º. O prêmio principal da noite foi pelo segundo ano consecutivo para o Noma, de Copenhague, do jovem chef René Redzepi, após desbancar em 2010 o El Bulli, do espanhol Ferrán Adriá.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade