Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Quadro de Botticelli pode arrecadar R$ 220 milhões em leilão

Retrato de Cristo ressuscitado atribuído ao renascentista será vendido em janeiro de 2022

Por Amanda Capuano Atualizado em 6 out 2021, 19h00 - Publicado em 6 out 2021, 17h02

Um quadro de Sandro Botticelli (1445-1510) tido como a “obra-prima definitiva do final de sua carreira” será leiloado pela Sotheby’s em janeiro de 2022, com expectativa de que arrecade até 40 milhões de dólares, o equivalente a 220 milhões de reais em cotação atual. Segundo a publicação especializada The Art Newspaper, a pintura batizada como The Man of Sorrows (O Homem das Dores, em tradução literal) data de 1500, e traz um retrato de Jesus Cristo ressuscitado atribuído tardiamente ao mestre renascentista.

Durante o renascimento, grande parte dos artistas, incluindo Botticelli, comandavam oficinas de pintura repleta de aprendizes que, não raro, dividiam a execução das obras com o mestre, dificultando a atribuição. The Man of Sorrows, nesse sentido, aparece listada como uma obra da oficina de Botticelli no catálogo do autor, feito em 1978 por Ronald Lightbown — que, de acordo com a Sotheby’s, tinha uma visão “restritiva” da produção do artista. Isso porque, após ser incluída na exposição de 2009-2010, Botticelli: Likeness, Myth, Devotion, no Städel Museum, e ganhar uma exibição própria, The Man of Sorrows foi atribuída ao mestre renascentista por Lurence Kanter, curador-chefe de arte europeia da Yale University Art Gallery, endossado também por Keith Christiansen, presidente do departamento de pinturas europeias do Metropolitan Museum of Art de Nova York.

Marcado para janeiro de 2022, o leilão acontece um ano depois que a mesma galeria arrecadou o valor recorde de 92,2 milhões de dólares com Young Man Holding a Roundel, quadro de Botticelli leiloado em janeiro de 2021, também atribuído ao pintor tardiamente, que se tornou a obra mais valiosa do artista já vendida, e a segunda entre os mestres antigos — atrás apenas de Salvator Mundi, de Leonardo da Vinci, vendido por mais de 450 milhões de dólares em 2017. Apesar da venda histórica no início deste ano, e de duas outras peças comercializadas de 2019 para cá, obras de Botticelli não costumam marcar presença em leilões, já que muitas delas pertencem a coleções particulares, o que colabora para os valores astronômicos desembolsados.

Quadro do renascentista Sandro Botticelli se torna o mais caro do artista ao ser leiloado por 92,2 milhões de dólares -
Quadro ‘Young Man Holding a Roundel’, do renascentista Sandro Botticelli, se tornou o mais caro do artista ao ser leiloado por 92,2 milhões de dólares – Tristan Fewings/Getty Images

O quadro reflete um período em que Botticelli estava profundamente ligado às pregações do frade dominicano Girolamo Savonarola, executado publicamente em 1498. Vasari, em seu livro Lives of the Artists, escreveu que Botticelli se tornou um adepto da seita de Savonarola, o que o levou a “abandonar a pintura”,  o que hoje se sabe não ter sido literal. “Durante a última década de sua vida, a produção de Botticelli foi diferente do início de sua carreira, muitas vezes caracterizada como a epítome dos ideais renascentistas de humanismo e beleza. The Man of Sorrows é um retrato realista de Cristo, simbolizando seu sofrimento e morte, mas com um grau surpreendente de humanidade, marca registrada do retrato de Botticelli, e mostrando a divindade de Cristo com uma profundidade psicológica impressionante,” descreveu à agência PR Newswire Christopher Apostle, chefe de mestres antigos da Sotheby de Nova York.

Sob propriedade de colecionador americano, o quadro foi a leilão pela última vez em 1963, ainda sem a atribuição a Botticelli. Na época, a peça, agora estimada em 40 milhões, foi vendida por modestos 10.000 euros. Antes do leilão, a obra será exibida em Hong Kong, e depois partirá em uma turnê global com exibições em Los Angeles, Londres, Dubai e Nova York.

Continua após a publicidade

Publicidade