Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Paulo Gustavo se desculpa após controvérsia por personagem negra

Comediante foi criticado na semana passada por fazer uso do 'blackface' para se caracterizar como Ivonete, da série '220 Volts'

Por Da Redação 20 jun 2016, 19h25

Paulo Gustavo pediu desculpas por pintar as mãos, o rosto e o pescoço à maneira do blackface na construção da personagem Ivonete e afirmou que decidiu refazer sua caracterização após ser criticado, na semana passada. “Nesses últimos dias li, ouvi, pensei e entendi que há uma longa discussão sobre o uso de blackface muito anterior e muito maior do que eu, minha carreira, minha personagem e o 220 Volts (programa onde Ivonete aparece), por isso decidi refazer a Ivonete sem que ela pareça uma caricatura risível da mulher negra. Ela não é. Ivonete é esperta, crítica, consciente e questionadora”, escreveu ele em sua página no Facebook, neste fim de semana.

Ele continuou, afirmando ter entendido que o blackface remete a experiências dolorosas para muitas pessoas. “Mesmo não sendo a intenção, eu peço desculpas se ofendi ou magoei alguém. Eu posso pintar minha pele, posso fingir, representar, tentar dar voz a essa mulher, mas eu nunca saberei de verdade como é ser uma mulher negra. Nos textos, a alegria da personagem não fazia dela uma alienada, mesmo assim eu compreendi que a negra animada é um estereótipo que os movimentos negros combatem com razão, pois na vida real, muitas vezes, não é nada engraçado. Apesar de conhecer e adorar muitas Ivonetes, ser negro no Brasil é difícil, sim. Como ser mulher também é difícil, como ser gay também é difícil.”

Leia também:

Paulo Gustavo é acusado de racismo ao aparecer como personagem negra

Como na TV, filme ‘Vai que Cola’ é pano de fundo para Paulo Gustavo

Namorado de Kéfera se defende de críticas sobre racismo

“Tanto na minha arte quanto na minha vida pessoal tenho feito o que posso pra tentar transformar o mundo num lugar melhor. Casei com o Thales, assumi isso publicamente, mudei minha certidão. Entendo que temos um grande processo de conscientização sobre o racismo, o machismo e a homofobia no Brasil e ele vem passando por etapas dolorosas. Eu não quero de forma alguma ser agente dessa dor, corroborar com preconceitos e manter o status quo de uma sociedade que necessita melhorar. Todos nós precisamos conversar e pensar mais a respeito disso. Eu tenho feito isso. Eu e a Ivonete”, terminou.

Entenda o caso – Na semana passada, Paulo Gustavo postou uma foto em suas redes sociais em que aparecia caracterizado como Ivonete, com peruca de cabelo crespo e com o rosto, as mãos e o pescoço pintados à maneira do blackface. O comediante foi acusado de racismo, mas voltou às redes para se defender. “Eu conheci muitas Ivonetes na minha vida e tenho orgulho dessas mulheres. Ao contrário de outras personagens que eu uso para ridicularizar o tipo que elas representam, a Ivonete existe pra ridicularizar quem a ridiculariza, porque eu quero rir de gente que não gosta das Ivonetes. Porque eu amo a Ivonete. Ela é negra, nasceu negra e eu tenho o mesmo respeito por ela que eu tenho por todas as pessoas”, escreveu.

Paulo Gustavo também publicou uma imagem que mostrava um comentário do diretor Pedro Antonio Paes, da série 220 Volts. No texto, Paes defendia o ator e afirmava que a prática do blackface, racista em seus primórdios, agora poderia ser usada como forma de combater o preconceito.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)