Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O feitiço que fez ‘Marilyn’ de Warhol atingir recorde de 1 bilhão de reais

Arrematado nessa segunda por maior valor já pago por obra do século XX, retrato da estrela feito por papa da art pop sobreviveu a tiroteio

Por Amanda Capuano 10 Maio 2022, 07h05

Um dos retratos de Marilyn Monroe pintados na famosa série de Andy Warhol sobre a estrela de Hollywood foi leiloado nessa segunda-feira, 9, em Nova York por 195 milhões de dólares – o equivalente a impressionantes 1 bilhão de reaisA bagatela faz da serigrafia de Warhol a obra mais valiosa do século XX, ultrapassando a pintura Les Femmes d’Alger (Versão ‘O’)”, de Pablo Picasso, vendida em 2015 por 179,4 milhões de dólares.

Batizada de Shot Sage Blue Marilyn, a obra de 1964 tem uma história no mínimo curiosa: ela é “sobrevivente” de um tiroteio no estúdio de Warhol. Em 1964, uma artista performática chamada Dorothy Podber entrou no local e viu quatro dos cinco retratos da série de Marilyn feita por Warhol após a morte da atriz exibidos nas paredes. Ela, então, pediu para clicar as peças usando a palavra “shoot”, que em inglês significa fotografar, mas também atirar. Seu real objetivo logo ficou claro: Podber sacou uma pistola da bolsa e atirou na cabeça de cada uma delas, na região entre os olhos.

Warhol, posteriormente, atônito com a situação, restaurou os quadros, e a série ganhou o nome de “Shot Marilyns” (Marilyns Baleadas, em português), em referência ao caso. A Marilyn azul, agora a pintura mais cara já vendida no século XX, é a mais famosa delas e, curiosamente, a única que não chegou a ser atingida pela “performance” não autorizada de Dorothy Podber, um elemento indispensável para a áurea lendária que a coleção de serigrafias ganhou nos anos seguintes.

Curiosamente, quatro anos depois do episódio, o estúdio de Warhol voltou a ser alvo de mais um tiroteio, dessa vez mais trágico e quase fatal. Em junho de 1968, a escritora Valerie Solanas, paranoica com a ideia de que Warhol fosse roubar um de seus manuscritos, invadiu seu escritório e atirou contra ele e Mario Amaya, dono de uma galeria de Londres com quem o artista estava em reunião. Amaya não ficou gravemente ferido. Warhol, por outro lado, chegou a ser dado como morto, mas foi reanimado em seguida e passou dois meses no hospital se recuperando de várias cirurgias, além de ser forçado a usar um espartilho cirúrgico pelo resto da vida para manter os órgãos no lugar.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)