Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Monet atacado com purê de batata expõe nova tática de ativistas do clima

Quadro do mestre impressionista francês é o mais recente alvo de uma série de protestos que visam chamar atenção para o aquecimento global

Por Amanda Capuano Atualizado em 24 out 2022, 14h39 - Publicado em 24 out 2022, 14h27

Ingredientes culinários invadiram de forma inusitada o mundo da arte nas últimas semanas. No domingo, 23, dois ativistas climáticos atiraram purê de batata no quadro Grainstacks, de Claude Monet, exposto no Museu Barberini, em Potsdam, na Alemanha. A ação acontece dias depois que outra dupla atirou molho de tomate no quadro Girassóis, de Van Gogh, em Londres.

Nas redes sociais, o grupo alemão Letzte Generation reivindicou a ação. “Se é preciso uma pintura com purê de batata ou sopa de tomate atirada nela para fazer a sociedade lembrar que o consumo de combustível fóssil está matando a todos nós, então entregaremos purê de batata em um quadro”, escreveu a organização. O grupo também identificou os ativistas como Mirjam Herrmann, de 25 anos, e Benjamin. Os dois foram presos no domingo, e são investigados por danos materiais e invasão.

Leiloado em 2019 por 110 milhões de dólares, o quadro de Monet não sofreu danos, já que a comida foi lançada no vidro de proteção. O museu informou nas redes sociais que a pintura voltará a ser exposta no mesmo local nesta quarta-feira, 26, como parte da exposição permanente da instituição.

Antes de colocarem comida na receita, grupos ativistas vinham colando as próprias mãos em obras de arte há meses para chamar a atenção para as mudanças climáticas. No Reino Unido, além do tomate no quadro de Van Gogh, ativistas se colaram em uma série de obras-primas, incluindo uma cópia do século XVI de A Última Ceia, de Leonardo da Vinci. Já na Itália, escolheram se grudar em uma escultura exposta no Vaticano e em obras da Galeria Uffizi, em Florença.

Continua após a publicidade

As organizações dizem que a ideia não é danificar as obras. Até agora, as ações tem sido feitas em quadros protegidos por vidros, ou são feitas visando a moldura das peças, onde as mãos dos ativistas costumam ser coladas. Pintadas por nomes reconhecidos como Da Vinci, Van Gogh e Monet, as peças atacadas despertam interesse – e acabam atraindo mais atenção para a causa. A quantidade de ações nos últimos meses, porém, pode acabar banalizando essa espécie de “modus operandi” — talvez por isso os ativistas tenham colocado comida na receita, já que só a cola já não surtia tanto efeito.

Confira o vídeo:

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.