Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Leopoldina abraçou a causa da independência

Nova biografia da imperatriz, do historiador Paulo Rezzutti, levanta documentos até hoje desconhecidos e mostra uma mulher mais atuante do que se imaginava

Por Maria Clara Vieira 19 mar 2017, 08h00

Leopoldina, a princesa austríaca que, casada com D. Pedro I, se tornaria imperatriz do Brasil, entrou para a história como uma figura trágica e melancólica: uma nobre exilada e humilhada pelo marido. No seus anos finais, quando o imperador instalou a Marquesa de Santos, sua amante, na corte, Leopoldina de fato afundou na melancolia. Mas ela foi um a jovem impetuosa e divertida. No Brasil, foi uma entusiasta da causa da independência. O historiador Paulo Rezzutti levantou documentos inéditos – entre eles, um diário da jovem princesa – para compor uma biografia mais complexa e matizada da imperatriz, D. Leopoldina: A História Não Contada (Leya). Em VEJA desta semana, o leitor encontra a resenha da obra e também excertos de documentos pesquisados por Rezzutti.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Publicidade