Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Final de ‘Amor de Mãe’ chega em 2021 e abordará pandemia, com máscaras

Após ter sua primeira novela interrompida, a autora Manuela Dias terá de retomar a trama em um mundo diferente. Sua saída: jogar-se no “novo normal”

Por Marcelo Marthe Atualizado em 26 ago 2020, 16h36 - Publicado em 21 ago 2020, 06h00

A baiana Manuela Dias passou os últimos cinco meses dentro do que define como “microbolha”. Em sua residência, na Zona Sul do Rio, a autora da Globo vem enfrentando a quarentena ao lado apenas da mãe, Sonia, e da filha, Helena. “É impossível escrever junto com uma criança de 4 anos. Se eu ganhasse 5 centavos a cada vez que a Helena fala ‘mãe’, eu poderia parar de trabalhar”, disse Manuela a VEJA, na semana passada. Ela conta que as tribulações da própria maternidade foram a inspiração para a novela Amor de Mãe (confira a entrevista neste link). Mas, nestes estranhos tempos de Covid-19, a notória “filha” televisiva consome sua atenção tanto quanto a pequena Helena. Com a exibição suspensa desde o fim de março, a trama das 9 reiniciou suas gravações no último dia 10. Limitada por um complexo protocolo sanitário, Manuela teve de quebrar a cabeça para solucionar um dilema: como recomeçar uma narrativa que se propunha realista em um Brasil tão assombrosamente diferente daquele de poucos meses atrás?

+ Compre o CD Amor de Mãe, vol.1
+ Compre o CD Amor de Mãe, vol.2

A resposta que ela encontrou foi promover um choque redobrado de realidade. Quando voltar ao ar para sua fase final, em algum ponto longínquo entre março e abril de 2021, Amor de Mãe oferecerá uma imersão nas agruras do “novo normal”. Os personagens usarão máscara ao sair para a rua e interagir com pessoas fora de seu convívio. Só abrirão mão da proteção quando estiverem no aconchego de suas microbolhas — os lares das três protagonistas, a retirante Lurdes (Regina Casé), a dona de restaurante e vilã Thelma (Adriana Esteves) e a advogada Vitória (Taís Araujo). Do mesmo modo como nas incontáveis reuniões em que Manuela e a direção da Globo debateram que fim dar a Amor de Mãe, os personagens também poderão se comunicar em cena por meio de chats de vídeo. “Eles vão se comportar como a gente na vida real. Há talvez cinco ou seis pessoas que você encontra sem máscara hoje”, afirma.

SUSPENSE - Gravação da cena do assassinato, a última exibida pela novela: punição da vilã Thelma (à esq.), só em 2021 – Isabella Pinheiro/Gshow/TV Globo

Inserir o coronavírus na trama traz um (leve) alívio à tarefa excruciante de gravar novelas no quadro atual. A separação dos personagens em microbolhas não só torna a novela mais verossímil, como permite isolar os atores em grupos que não se trombam no estúdio — uma forma de reduzir os riscos de contágio entre os núcleos do elenco e da equipe técnica. Obviamente, transformar as máscaras em itens de figurino também amplia a proteção no set. Até chegar o momento em que o diretor grita “gravando”, aliás, os atores passam por uma maratona que inclui botar roupa de proteção, deixar os pertences em armários, desinfectar celulares e se virar como maquiadores deles mesmos (por sinal, o excesso de pomposidades fará a Globo evitar as tramas de época enquanto a pandemia durar). Nesse cenário periclitante, compreende-se por que Amor de Mãe terá só mais 23 capítulos — metade, grosso modo, do planejado. Se antes era possível gravar seis capítulos em uma semana, agora serão no máximo dois.

+ Compre o livro Ligações Perigosas

Continua após a publicidade

Explorar as correspondências entre realidade e ficção não é exceção, mas regra na trajetória de Manuela. Jornalista por formação, ela tentou a carreira de atriz nos anos 1990, mas acabou atraída pelo trabalho atrás das câmeras, como roteirista. Do programa Sandy & Junior à sitcom A Grande Família, colaborou com tudo um pouco, até se consagrar, em 2016, com uma adaptação do clássico francês As Ligações Perigosas e a impactante Justiça. Aquele mesmo registro de realismo cru da série, na qual ela remexia em questões morais e sociais delicadas, foi aplicado à sua estreia nas novelas. Impressionado com seu talento, o noveleiro Silvio de Abreu, diretor de dramaturgia da Globo, a escalou logo para a trama das 9. “Ela é muito engenhosa. Achei que devia colocá-la no melhor horário da emissora”, diz Silvio. Manuela, de 43 anos, esperou duas décadas na fila e passou três anos desenvolvendo Amor de Mãe. Bem na semana em que a novela atingia seu ápice no ibope, com a cena em que a personagem de Adriana Esteves se revelava uma assassina fria, eis que a Covid-19 mudou tudo. “Eu me adapto a uma chuva, a uma atriz que ficou doente, a uma pandemia. Meu objetivo com essa epopeia é crescer”, diz ela. Cenas do próximo capítulo, só em 2021.

VEJA RECOMENDA | Conheça a lista dos livros mais vendidos da revista e nossas indicações especiais para você.

Publicado em VEJA de 26 de agosto de 2020, edição nº 2701

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


Amor de Mãe, vol.1

Amor de Mãe, vol.2

Ligações Perigosas

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade

Publicidade