Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Datas: Vangelis, Johan Konings e Bob Neuwirth

O compositor, o padre jesuíta e o produtor

Por Da Redação Atualizado em 27 Maio 2022, 14h10 - Publicado em 27 Maio 2022, 06h00

Poucas cenas são tão familiares e nenhuma balada tão conhecida como as da abertura do drama britânico Carruagens de Fogo, de 1981, vencedor do Oscar nas categorias de melhor filme, melhor roteiro original, melhor figurino — e melhor trilha sonora. A composição, hoje onipresente, escolhida em dez entre dez cerimônias de entrega de medalhas, virou sinônimo de esporte, sobretudo de corridas. Ficou tão batida que parece ruim — e, no entanto, é uma obra-prima de seu estilo. Foi composta pelo grego Vangelis, o pseudônimo de Evángelos Odysséas Papathanassíou. O tema instrumental — mistura de piano acústico com sintetizador, a um só tempo delicado e empolgante — acompanhava as cenas iniciais do filme, com atletas correndo à beira-­mar, em câmera lenta. Nasceu com a alcunha de titles, porque brotou nos segundos iniciais da tela, mas logo foi batizado com o nome da produção.

Carruagens de Fogo, é claro, chegou ao topo das paradas de sucesso de todo o mundo. Ganhou ainda mais relevância quando Steve Jobs a escolheu como pano de fundo para a apresentação do primeiro Macintosh desenvolvido pela Apple, em 1984. Vangelis fez também outras trilhas cinematográficas, como as de Blade Runner e Desaparecido — Um Grande Mistério, ambas de 1982, mas ficará eternizado como o autor daquela toada que começa com tã tã tã tã tã tã… Vangelis morreu em 17 de maio, em Paris, de insuficiência cardíaca. Tinha 79 anos.

E no princípio era o verbo

JESUÍTA - O padre belga Konings: tradução da Bíblia para o português -
JESUÍTA - O padre belga Konings: tradução da Bíblia para o português – Arquidiocese de Belo Horizonte/Divulgação

O padre jesuíta belga radicado no Brasil Johan Konings levou onze anos para atravessar sua missão de vida: traduzir para o português a Bíblia tida como referência para a Igreja Católica no Brasil. O lançamento oficial ocorreu em 2018. Filósofo, filólogo e doutor em teologia pela Universidade Católica de Lovaina, na Bélgica, ele era professor titular da Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (Faje) de Belo Horizonte. “Seu legado acadêmico, científico e humanístico pastoral é uma preciosa herança evangelizadora para a sociedade”, disse o arcebispo da Arquidiocese de BH, dom Walmor Oliveira de Azevedo. Konings morreu em 22 de maio, aos 80 anos, em decorrência de um aneurisma cerebral.

A sombra luminosa do pop

PARCERIA - Neuwirth (à dir.) com Bob Dylan: nas turnês e na produção de discos -
PARCERIA - Neuwirth (à dir.) com Bob Dylan: nas turnês e na produção de discos – AP Photo/Image Plus

O compositor e produtor Bob Neuwirth foi figura influente à sombra da música pop americana dos anos 1960 e 1970. Ele esteve ao lado de Bob Dylan na turnê pela Inglaterra em 1965 e, dez anos depois, ajudou a montar a banda de apoio da excursão Rolling Thunder Revue, transformada em documentário por Martin Scorsese. É Neuwirth quem aparece, da cintura para baixo, de calça jeans, camisa listrada e uma máquina fotográfica na capa do álbum Highway 61 Revisited, de 1965. Ele compôs com Janis Joplin um dos clássicos da roqueira, Mercedes Benz (“Oh Lord, won’t you buy me a Mercedes-Benz? / My friends all drive Porsches”). Janis teria uma overdose fatal três dias depois de gravar a canção. Neuwirth morreu em 18 de maio, aos 83 anos, de causas não reveladas.

Publicado em VEJA de 1 de junho de 2022, edição nº 2791

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)