Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Coronavírus: A trilha sonora do isolamento

A quantidade de streamings no Spotify e na Deezer caiu cerca de 10% entre 16 e 22 março, embora o número de assinantes desses serviços não tenha diminuído

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , João Batista Jr. Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 10 abr 2020, 11h00 - Publicado em 10 abr 2020, 06h00

Ouvir música, mais que um prazer, é um hábito — e ele foi profundamente atingido pela pandemia do coronavírus. Com as pessoas em casa em razão das medidas de distanciamento social, seria natural supor que elas passariam a ouvir mais música. Mas o que aconteceu foi o contrário. A quantidade de streamings no Spotify e na Deezer caiu cerca de 10% entre 16 e 22 março, embora o número de assinantes desses serviços não tenha diminuído. Mais que entreter os fãs, as lives ajudaram a recuperar os ouvintes que os artistas perderam nas plataformas de streaming. Michel Teló teve um consumo 40% maior de suas músicas um dia depois de sua live. Já Sandy viu suas músicas crescer 46% nas plataformas. “O artista não consegue fazer lives todos os dias, mas ele precisa delas de vez em quando para que o fã continue ouvindo sua música. Percebemos que o ouvinte escuta mais seu artista favorito logo depois da live”, afirma Marcos Swarowsky, diretor regional da Deezer no Brasil e América Latina. A dramática mudança na rotina das pessoas, que agora estão quase 100% do tempo em casa, ajuda a entender a queda no hábito de ouvir música por streaming. Ele está atrelado às “ocasiões de consumo”, como ir ao trabalho e exercitar-se na academia — esses itens frugais da rotina simplesmente deixaram de acontecer. Na segunda e na terceira semanas do país sob quarentena, a audiência do streaming voltou a crescer. O conteúdo, no entanto, ficou mais diverso e adequado ao momento. Na Deezer, playlists feitas para ajudar as pessoas a relaxar aumentaram mais de 200%. Música gospel e cantos de louvor também ganharam espaço. No Spotify, playlists infantis, como a MPB para Crianças e a Nana Nenê, conquistaram mais ouvintes.

Publicado em VEJA de 15 de abril de 2020, edição nº 2682


Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.