Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Com a Viacom, Porta dos Fundos vai chegar à Europa e aos EUA

Presidente da presidente da VIMN Américas, Pierluigi Gazzolo aposta no humor do grupo para crescer em publicidade e audiência

Por Maria Carolina Maia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 20 abr 2017, 16h10 - Publicado em 19 abr 2017, 20h13

A compra do grupo de humor Porta dos Fundos, anunciada nesta quarta-feira pela Viacom, dona de marcas como MTV, Comedy Central e Paramount Channel, vai colocar o coletivo carioca no cardápio da TV paga dos Estados Unidos e Europa, além de outros países da América Latina. A aposta no grupo, concretizada em um negócio de valor não revelado, faz parte da estratégia da Viacom para crescer na América do Sul em audiência e publicidade.

“A Viacom é uma empresa de conteúdo. Temos horas e horas de conteúdo. Acreditamos que precisamos possuir conteúdo para ser bem-sucedidos. Adquirir o Porta dos Fundos nos dá acesso a muitas horas de vídeos curtos, que queremos explorar não apenas no Brasil, mas ao redor do mundo. Vamos traduzir o conteúdo para a América Latina, a Europa e os Estados Unidos”,

Pierluigi Gazzolo, Presidente da VIMN Américas
Pierluigi Gazzolo, presidente da VIMN Américas (Youtube/Reprodução)

diz Pierluigi Gazzolo, presidente da presidente da Viacom International Media Networks (VIMN) Américas. “A publicidade está migrando para o branded content (marketing de conteúdo)“, complementa.

Segundo Gazzolo, o negócio faz da Viacom a principal dona do Porta dos Fundos, que além do canal com o próprio nome, possui outros menores no Youtube, site e perfis em redes sociais, séries de TV, filmes, games, aplicativos e uma linha de produtos licenciados. Mas, em termos operacionais e criativos, o Porta dos Fundos seguirá o mesmo. “Nada muda. O Porta dos Fundos vai continuar na internet e seguirá como provedor de conteúdo, particularmente do Comedy Central, que pode ter um blog do Porta em seu site e conteúdo na TV. Queremos aprender com eles como crescer no mundo multiplataforma”, diz o executivo que, ao menos a princípio, descarta um canal próprio para o coletivo na televisão.

Continua após a publicidade

“Queremos levar o Comedy Central para o nível de penetração do Nickelodeon, isto é, expandir de 60% para 80% a sua presença entre os assinantes dos diversos pacotes de TV por assinatura. Acredito que a televisão vai continuar crescendo na América Latina. Nós acreditamos no mercado brasileiro”, diz Gazzolo.

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.