Clique e assine a partir de 9,90/mês

A família que não morre

A série ''The Romanoffs' mostra o fardo e o fascínio de ser um descendente da dinastia que governou a Rússia por 300 anos e foi executada pelos bolcheviques

Por Marcelo Marthe - Atualizado em 28 ago 2019, 18h30 - Publicado em 19 out 2018, 07h00

Nos livros de história, o príncipe Alexei emerge como símbolo do ocaso dos Románov. Doente e melancólico, ele ilustra o futuro abruptamente interrompido da família que governou a Rússia por 300 anos e sucumbiu ao turbilhão revolucionário que varreu o país em 1917. Junto com o pai, o czar Nicolau II, a mãe, a czarina Alexandra, e as irmãs, Olga, Tatiana, Maria e Anastásia, Alexei foi executado de forma bárbara pelos bolcheviques. No primeiro episódio da série The Romanoffs (assim o sobrenome russo é às vezes grafado em inglês), Alexei é um personagem plebeu desprovido de substância trágica: um cãozinho mimado. As circunstâncias, no entanto, estabelecem uma associação imediata com o príncipe assassinado. Sua dona, Anushka (Marthe Keller), é descendente dos Románov que, aparentados da família real, conseguiram fugir da Rússia depois da revolução. Divide com o bicho a solidão de um apartamento forrado de relíquias na Paris dos dias atuais. Há um notório ovo de Fabergé na estante, do qual Anushka se gaba diante de sua nova cuidadora, a muçulmana Hajar (Inès Melab). Com horror da “terrorista” que seu único sobrinho enviou para cuidar dela, Anushka enumera feitos militares da civilização europeia contra o Islã ao longo dos séculos para explicar por que só uma representante da superioridade ocidental como a Casa Románov poderia ter uma preciosidade assim em casa. Enquanto isso, ela janta na mesma mesa que seu cão.

A nova série confirma a ascensão da Amazon, com sua plataforma Prime Video, como respeitável rival da Netflix no mercado global de streaming. A empresa trilionária de Jeff Bezos começou devagarinho, mas botou de vez os tanques na rua com a ação Jack Ryan e, agora, com a excelência criativa de The Romanoffs. Com graça e sagacidade, a série não nega a grife de Matthew Weiner, criador de Mad Men. Há um oceano de distância entre os cenários do sucesso da AMC, ambientado no mundo da propaganda nova-iorquina dos anos 60, e seu novo trabalho. Cada um dos oito episódios de The Romanoffs apresenta uma história com diferentes personagens (todos fictícios) e explora conexões entre o mundo contemporâneo e a história da dinastia russa. Na essência, porém, Weiner mantém-se fiel às questões que abordava em Mad Men: a ilusão inebriante de carregar um título de poder; a doce mas inexorável poesia da decadência; e o rastro destrutivo do mau comportamento masculino nos negócios de alcova — em qualquer tempo.

TRAGADOS PELA HISTÓRIA - Os Románov reais, com o czar Nicolau II ao centro: eles eram a “bagagem” a ser eliminada New York Public Library/.

No lançamento de The Romanoffs, Weiner disse que a série pretendia trazer “alegria” ao mundo “em tempos irritantes e divisivos”. Os dois episódios já disponíveis — além do terceiro, a que VEJA teve acesso — de fato trazem alegria sem fim como produtos de entretenimento. De quebra, contêm sutis pílulas políticas sobre a intoxicante atmosfera de intolerância que assola do Brasil à Europa. The Violet Hour, sobre a relação entre a velha princesa Anushka e sua criada muçulmana, examina a ironia de descobrir que o chamado “outro” (obviamente, a cuidadora islâmica) não é a tenebrosa ameaça à linhagem que a princípio tanto aterrorizara a patroa, e sim a chave para sua renovação.

Na segunda história, The Royal We, Michael (Corey Stoll) é um descendente americano dos Románov, mas não está nem aí para isso. Medíocre e imerso num casamento em crise, ele usa a participação no júri em um caso de assassinato como pretexto para correr atrás de um rabo de saia, enquanto despacha a esposa, Shelly (Kerry Bishé), para um coruscante cruzeiro marítimo que reúne parentes dos Románov. Por vias inversas, prova-se que sobrenome pomposo não é antídoto contra baixa autoestima.

POMPA SEM FIM - Shelly (Kerry Bishé), no cruzeiro de descendentes dos Románov: sobrenome não cura baixa autoestima Jan Thijs/Amazon Prime Video/Divulgação

A terceira trama de The Roma­noffs oferece uma visão surreal do que o fascínio por uma dinastia traz à cabeça. A americana Christina Hendricks (a secretária sensual de Mad Men) é Olivia, estrela de cinema que vai a um rincão da Áustria para gravar uma série de TV sobre os Románov, no papel da czarina Alexandra. Chegando lá, descobre-­se numa roubada. A diretora Jacqueline (a francesa Isabelle Huppert) é sádica e maluca. Assustada, Olivia se envolve com Samuel (Jack Huston), ator que faz o papel do místico e conselheiro caviloso Rasputin no programa. Como num filme de terror, as histórias que cercam os Románov passam a assombrar o set de filmagem. “A certa altura, meu personagem começa a se confundir com o próprio Rasputin, inclusive no apetite sexual. São figuras tão fortes que é difícil livrar-se delas após gravar”, disse Jack Huston a VEJA. Se no episódio inicial a suíça Marthe Keller está radiosa como a velha princesa, aqui o show é de Christina Hendricks, Isabelle Huppert e do próprio Huston. “Nós nos divertimos demais. Isso faz diferença”, diz ele.
The Romanoffs renova o apelo pop de um capítulo trágico da história. Em 17 de julho de 1918, os bolcheviques decidiram que era hora de juntar a “bagagem” e efetuar a “limpeza da chaminé”. Por trás dos códigos, estava em marcha uma operação monstruosa. A “bagagem” eram seus prisioneiros da família imperial russa. “Limpeza da chaminé” era o desenlace temido pelos Románov. Em um porão, eles foram executados a tiros e golpes de baioneta. Seus corpos foram jogados em um fosso, cobertos de ácido, e ficaram escondidos até 1991, com o fim da União Soviética. Só então cientistas enterraram de vez teorias como a de que a princesa Anastásia teria sobrevivido ao massacre. Ela morreu mesmo, mas sua família acaba de ganhar mais uma vida.

Publicado em VEJA de 24 de outubro de 2018, edição nº 2605

Continua após a publicidade
Publicidade