Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

As curvas dominam a cena nas exposições de design, resgatando Niemeyer

Ambientes e mobiliários com traços sinuosos estão em alta

Por Simone Blanes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 10h31 - Publicado em 17 jun 2023, 08h00

Em algumas frases, de caligrafia miúda, Oscar Niemeyer (1907-2012) marcou como ferro no concreto o seu modo de ver a arquitetura: “Não é o ângulo reto que me atrai. Nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual. A curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas nuvens do céu, no corpo da mulher amada. De curvas é feito todo o universo. O universo curvo de Einstein”. Serviu como manifesto, a antecipar e costurar edifícios modernistas que podem não ser aconchegantes e amigáveis, mas compõem paisagem indelével do século XX. E convém retomar o fio da meada tecido por Niemeyer, porque as curvas voltaram a ser erguidas, sutis ou evidentes, simples ou imponentes, como presente estético.

SOLENIDADE - Ambiente de Léo Shehtman na reputada mostra paulistana: tudo é oval, como as ondas do mar
SOLENIDADE - Ambiente de Léo Shehtman na reputada mostra paulistana: tudo é oval, como as ondas do mar (Adriano Pacelli/.)

É tendência incontornável, e não há como sair pela tangente. Ela é visível nos lares, mas também nas principais exposições de decoração de interiores e arquitetura no Brasil e no exterior. Trata-se, no traço, de mais uma resposta ao período sombrio da quarentena imposta pela pandemia, em que a beleza foi derrotada pelo utilitarismo exagerado. E, então, como se não houvesse outra saída, e talvez não houvesse mesmo, deu-se como aceitável a feia desarmonia das linhas retas. Louvou-se até o brutalismo que invadiu as metrópoles já há algum tempo, desde o fim da II Guerra, e que parecia destino imutável. Não é, e bem-vin­do aos novos tempos de sensibilidade e fluidez. Salve, com o fim definitivo da crise de Covid-19 no horizonte, o acolhimento e o refúgio confortável, quase amoroso.

A edição 2023 da CASACOR, evento realizado pela Editora Abril, que publica VEJA, e que acaba de ser inaugurada em São Paulo, é um passeio por ares curvilíneos redescobertos. “As peças e os ambientes encantam e enfeitam de maneira leve, solta e inusitada, sempre com movimento, algo que tem a ver com o nosso momento, tempo de muitas mudanças”, diz o arquiteto Léo Shehtman. Na mostra, ele criou um bunker de espaços sinuosos, de concreto aparente, a um só tempo solene e reconfortante. Como decoração não é apenas o que se vê, mas também o que se sente, ele arrisca uma explicação com toques de poesia: “A ideia é incapsular as memórias nas curvas do tempo”. É espírito semelhante a outro espaço da CASACOR, um living desenhado por Juliana Cascaes. As formas circulares estão por toda parte, da mesa oval ao sofá, da gravura dos Irmãos Campana à cortina assinada pelo estilista Lino Villaventura, que faz referência às ondas do mar. “As curvas nos lembram e nos aproximam da natureza, sugerindo mais aconchego ao corpo e à alma”, diz Juliana. A arquiteta Cilene Lupi, na trilha imaginada por Niemeyer, dobrou as paredes, e a elas concedeu contornos, como uma ode à sensualidade do corpo das mulheres. “Todas as formas orgânicas e curvas desenhadas nos móveis e no tapete trazem feminilidade”, descreve ela a respeito de seu espaço na CASACOR, cujo tema deste ano é justamente Corpo & Morada.

Continua após a publicidade
SENSUALIDADE - Espaço da Hermès, em São Paulo, projetado por Guto Requena e a chaise longue de Niemeyer (abaixo): não à linha dura
SENSUALIDADE - Espaço da Hermès, em São Paulo, projetado por Guto Requena e a chaise longue de Niemeyer (abaixo): não à linha dura (Fran Parente;/Divulgação)

Outro indício da onda espraiada é o uso de curvas até pela frieza da vanguarda high-tech — terreno afeito a mais rigidez e que também se rendeu. A loja Pop Up-Store Hermès, de São Paulo, pôs ferramentas de inteligência artificial manipuladas por Guto Requena para desenhar curvas no mobiliário. “Esse momento tecnológico da arquitetura, que olha e mimetiza a natureza para construir o design, é a base do meu trabalho”, diz o brasileiro, vencedor de um dos cobiçados prêmios internacionais do iF Design Award, fundamental entre profissionais do bem viver, realizado em maio, em Berlim. E para não deixar dúvidas, se houvesse incertezas sobre a relevância dos semicírculos, convém olhar para uma chaise longue clássica de Niemeyer, de 1978, cujo primeiro efeito visual são as curvas, livres e sensuais. Vale, portanto, o provérbio milenar, mas sutil: “Deus escreve certo por linhas tortas”.

Publicado em VEJA de 21 de Junho de 2023, edição nº 2846

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.