Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A febre das celebridades por crucifixos e outros ícones religiosos

Eles se transformam em joias cobiçadas por famosos. Se antes causavam polêmica, agora são símbolos de conexão espiritual

Por Simone Blanes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
26 fev 2023, 08h00

Em 1984, quando começava a despontar na cena pop, Madonna decidiu que era hora de chocar o público. No Video Music Awards, premiação da MTV, nos Estados Unidos, ela saiu de um bolo enorme enquanto entoava um clássico instantâneo, Like a Virgin. Para além da letra ousada e a performance provocativa, a polêmica veio do figurino: a nova estrela usava um vestido de noiva, adornado por dois elementos díspares: um cinto no qual se lia a inscrição boy toy (brinquedo de menino) e um imenso crucifixo, símbolo maior do cristianismo. Como Madonna havia previsto, o escândalo foi inevitável. A ruidosa aparição teve um efeito imediato na moda. As cruzes de origem religiosa se tornaram acessórios desejados, e logo cantores como Prince e George Michael passaram a usá-las em público. Quase quatro décadas depois, as chamadas joias de proteção — que incluem também figas, escapulários, olhos gregos e talismãs, entre outros adereços — estão de volta, mas de um jeito diferente.

FÉ - Hailey Bieber e Kim Kardashian: amuletos ligados à espiritualidade voltam a ganhar adeptas famosas -
FÉ - Hailey Bieber e Kim Kardashian: amuletos ligados à espiritualidade voltam a ganhar adeptas famosas – (Reprodução/Instagram)

Se a intenção no mundo pop antes era provocar, agora a tendência está conectada a questões de fé e espiritualidade. Recentemente, a eterna criadora de tendências Kim Kardashian pagou cerca de 200 000 dólares pela cruz Attallah, criada pela joalheria Garrard, em 1920. Cravejada de ametistas e diamantes, ela havia sido usada pela princesa Diana em 1987, em um evento de caridade. As celebridades, reafirme-se, aderiram em peso à tendência — do terço de Neymar nos campos de futebol aos brincos da modelo Hailey Bieber nas redes sociais, dos colares com motivos religiosos nos palcos onde se exibem cantoras e cantores como Beyoncé, Harry Styles e Rita Ora ao discreto crucifixo de Lourdes Maria Leon, filha de Madonna, no tapete vermelho do Grammy. Os looks inspirados em pingentes que pareceriam mais adequados nos colos de freiras e padres são como um comentário em torno de nosso tempo. “Em momentos como pós-guerra ou grandes epidemias, as pessoas sentem mais o desejo de proteção”, diz Bianca Zaramella, professora de comunicação de moda no Istituto Europeo di Design (IED).

HERANÇA - Lourdes Leon, filha de Madonna: acessório para seguir os passos e o figurino da mãe -
HERANÇA - Lourdes Leon, filha de Madonna: acessório para seguir os passos e o figurino da mãe – (Robyn Beck/AFP)

As peças são onipresentes nas grandes joalherias. Fizeram fama as coleções de crucifixos da Tiffany, os talismãs da Cartier, os amuletos da Vivara, os diversos símbolos espirituais da Swarovski e as pedras místicas do designer Ara Vartanian, para citar apenas alguns exemplos. Vartanian diz que sempre pensa em joias como amuleto. Mas é preciso ter cautela para não ferir a fé das pessoas. “Deve haver respeito por símbolos de todos os tipos”, diz Frank Everett, vice-presidente da Sotheby’s Jewelry. Afinal, assim como os diamantes, as joias de proteção também podem ser eternas.

Publicado em VEJA de 1º de março de 2023, edição nº 2830

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.