Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

VEJA Gente

Por Valmir Moratelli
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

A explicação para o choro de Caetano Veloso ao ouvir Xande de Pilares

Sambista fala à coluna VEJA Gente sobre o elogiado álbum ‘Muito Romântico’, apenas com músicas do baiano; assista ao vídeo

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 13 Maio 2024, 22h41 - Publicado em 21 ago 2023, 09h30

Xande de Pilares, 53 anos, fez Caetano Veloso chorar. E chorar pra valer. Ao sair da gravação de seu álbum Muito Romântico, na outra sala do estúdio estava o baiano ouvindo suas doze canções em ritmo de pagode, que voltou com força total pelo país. A produção já é recebida pela crítica especializada como um dos maiores feitos musicais de 2023. A coluna VEJA Gente bateu um papo com Xande para falar dessas referências e da emoção de ter tocado o coração de seu ídolo.

Você já sofreu preconceito por tocar pagode? Já, muito. Quando fui estudar música, o cara perguntou o instrumento que eu tocava, falei ‘cavaquinho’ e ele: ‘Aqui não, aqui a gente não dá aula de cavaquinho’. Por que bandolim pode e cavaquinho não? Preconceito.

O que o pagode tem que os outros ritmos não têm? O pagode canta qualquer ritmo, porque ‘ele’ gosta da música. O pessoal do pagode canta sertanejo, forró, funk. O pagode tem isso, escuta todo mundo, presta atenção no que todo mundo faz e prestigia. Já na hora de retribuir, rola um preconceito.

Sobre cantar Caetano Veloso, como está sendo o processo de escuta das pessoas? Caetano é uma emoção diferente que estou vivendo. Esse trabalho foi gravado na pandemia, era para comemorar os 80 anos do Caetano e estava acontecendo muita coisa, confusão política… Aí lançamos no momento. E eu não me escuto, gravo meu disco, escuto lá na hora para ver se tem que consertar alguma coisa, e não me escuto mais. Com esse do Caetano, estou escutando todo dia, toda hora, é uma coisa que vivi na infância. Escutei Roberto, Caetano, Gil e Chico. E o Caetano era um ídolo inalcançável. Achava que nunca iria conhecer o Caetano.

Continua após a publicidade

E como se aproximaram? Pretinho da Serrinha me leva para casa da Paula (Lavigne), a gente tinha umas cantorias lá e no final de cada cantoria tinha sempre um bate-papo, o Caetano estava sempre envolvido ali. E aí cantei uma música que Bethânia gravou dele, chamada Ela e Eu, com um cavaco na mão. Ele veio e parou do meu lado: ‘Interessante isso, nunca vi essa música tocada no samba’. Falei: ‘Não, Caetano, é porque lá em casa só tinha revista de violão. Tinha que decorar a cifra para transportar para o cavaquinho. E aí aprendi a transformar tudo de MPB em samba’.

Esse disco quebra o preconceito de que pagodeiro não pode tocar nomes da MPB? Quebra totalmente, porque é não é uma determinada música que um pagodeiro gravou, é um disco cheio! Chamou a atenção pelo cuidado com que foi feito, ninguém estava pensando em fazer sucesso, e sim orgulhar o Caetano, uma forma de presentear e ser presenteado. E as atenções estão todas voltadas para esse disco. E vou te dizer um negócio: é o disco que destaco como troféu, por todo trabalho que tenho desde os 12 anos até hoje, nos meus quase 54.

E aquelas lágrimas no estúdio? Como você as recebeu? Eu saio de lá e já estava chorando, cantando, enxugo as lágrimas. Quando eu entro, dou de cara com o Caetano meio assim. Pergunto se ele estava chorando e o Pretinho: ‘Ai…’. E ele vai aos prantos. Então aquilo ali me emocionou, porque é o ídolo emocionado com a sua interpretação. Não tem nada melhor que viajar na poesia de Caetano. Quando eu cantava Trilhos Urbanos, parecia que eu estava em Santo Amaro. Me sinto privilegiado de virar para o meu povo do samba e dizer: ‘Ó, vem que todo mundo pode’. Vamos prestigiar essa galera, porque eles trabalharam para caramba para que a gente tenha o privilégio de subir no palco hoje. Eles foram presos, exilados, passaram pela porra toda. A música brasileira não tem que ter preconceito, tem que ter coragem, carinho e respeito’.

.
Xande de Pilares – (Alex Campêlo/ Ag.Fpontes//Divulgação)
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.