Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
. Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

O país que produz caixões

De acordo com o IBGE, entre os poucos setores que cresceram está o de fabricação de caixões

Por Thomas Traumann 5 Maio 2020, 19h01

Indicadores econômicos raramente traduzem o momento de um país. Dizer que o PIB brasileiro caiu 3,5% em 2015 e 3,3% em 2016 não conta a o sofrimento das milhões de famílias que perderam seus empregos, das empresas que fecharam, dos futuros que se perderam. Hoje, no entanto, saiu um dado que retrata o espírito do tempo. De acordo com o IBGE, em março a produção industrial brasileira caiu 9,1%, uma catástrofe quando se sabe que a queda em abril foi ainda pior. Entre os poucos setores que cresceram está a fabricação de caixões (o IBGE não subdivide o percentual de cada produto).

Um país que produz mais caixões e menos comida é um país mais triste. Os dados de cálculo sobre desemprego não estão sendo coletados, mas estima-se em mais de 200 mil demissões no mês de abril. Para os otimistas, o Brasil vai terminar o ano tão pobre quanto em 2011. Para os pessimistas, será como se voltássemos a 2007, desperdiçando 14 anos de riquezas.

ASSINE VEJA

Moro fala a VEJA: ‘Não sou mentiroso’ Em entrevista exclusiva, ex-ministro diz que apresentará provas no STF das acusações contra Bolsonaro. E mais: a pandemia nas favelas e o médico brasileiro na linha de frente contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Nesta quarta-feira, 6, o Banco Central deve anunciar um novo corte na taxa Selic, que mesmo estando nos patamares mais baixos da história não consegue incentivar o investimento e o crédito. Em março e abril, a maior parte das empresas decidiu pela suspensão de contratos de trabalho, com corte de salários, para não demitir. Mas só as maiores terão fôlego para aguentar até junho assim.

Só que é preciso má-fé ou ingenuidade para achar que até junho as coisas estarão bem. Os indicadores mostram que o Brasil chegará a 10 mil mortos por Covid-19 nesta semana. O colapso dos hospitais em Manaus está perto de acontecer em Fortaleza e Recife. No Rio, os hospitais não têm sedativos para dar aos pacientes entubados. Em São Paulo, a curva aponta para o pico ao longo de maio.

Ah, sim, hoje foi divulgado o depoimento do ex-ministro Sergio Moro, que traz pouco de novo sobre as ameaças de interferência do presidente sobre a Polícia Federal. Antes o presidente mandou jornalistas calarem a boca e depois fez um pronunciamento proibindo perguntas. É mais do atoleiro da política de um país onde a única indústria com crescimento garantido é a fabrica de caixões.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)