Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Tela Plana Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Kelly Miyashiro
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

Documentário explora bastidores do caso que inspirou ‘Invocação do Mal’

O premiado diretor Jerry Rothwell investiga o caso sobrenatural mais famoso da Inglaterra na série 'O Poltergeist de Enfield', da Apple TV+

Por Thiago Gelli
Atualizado em 30 out 2023, 17h19 - Publicado em 30 out 2023, 11h14

Em 1977, uma casa comum da rua Green, na cidadezinha britânica de Enfield, desbancou o Palácio de Buckingham como o endereço mais falado do Reino Unido. Lá, a mãe solteira Peggy Hodgson e seus quatro filhos passaram a ser atormentados por fenômenos supostamente sobrenaturais: barulhos, móveis mudando de lugar, levitação e até sinais de possessão. Janet, aos 11 anos, foi o epicentro da história, ora falando inexplicavelmente com outras vozes, ora agredida por objetos da moradia. O caso bombou na imprensa, inspirou dezenas de histórias de terror e atraiu múltiplos investigadores paranormais, com destaque para Maurice Grosse — que gravou 200 horas de áudio na casa — e o casal Warren, cuja investigação foi adaptada para o cinema em Invocação do Mal 2 (filme que atribui os eventos à freira demoníaca da franquia A Freira).

Agora, quase 50 anos após os acontecimentos, o documentarista premiado Jerry Rothwell revisita as gravações de Grosse e a história como um todo para propor uma nova representação audiovisual, sem sensacionalismo ou confabulações. Focado em analisar a experiência da família e suas repercussões midiáticas e sociais, ele criou a docussérie O Poltergeist de Enfield, cujos quatro episódios chegam ao streaming Apple TV+ na sexta-feira, 27. Em entrevista exclusiva a VEJA, o cineasta fala sobre a pesquisa inédita, o formato do true crime e suas crenças pessoais: 

A ficção se aproveita desta história há décadas, de Vigília Paranormal (1992) a Invocação do Mal. Como o formato documental a redefine? O que me fascinou foi a existência dessas fitas com 200 horas de material coletado por Maurice Grosse, o investigador original do caso, que haviam sido pouco ouvidas antes. Me interesso muito pelos documentários como interfaces entre o que se passa nas cabeças das pessoas e o que ocorre na realidade. O som é ideal para fazer essa ponte: se apenas ouvimos barulhos, construímos imagens próprias em nossas mentes — e Grosse gravou horas de som ambiente na casa, além das entrevistas. Quanto às adaptações fictícias, nos distanciamos delas pois nos aproximamos à experiência familiar e psicológica por meio da pesquisa, focando na experiência vivida por essas pessoas.

A entrevista com Janet mais de 40 anos após o caso é o clímax da produção. Como foi abordá-la? Fundamentalmente, essa história pertence à Janet, Margaret e Billy — as crianças e adolescentes que viveram naquela casa e continuam vivos. Não tenho certeza se a série existiria caso ela não tivesse apoiado a existência do projeto. Além disso, Janet nunca tinha ouvido as fitas, e observá-la refletir sobre sua família de novas maneiras, com honestidade, foi muito valioso.

Continua após a publicidade

É fácil subestimar esse assunto como bobo ou sensacionalista. O que o fez enxergá-lo com a mesma seriedade de seus filmes anteriores? Existe algo sério no coração desta história, que é a percepção humana da realidade. O último filme que fiz foi sobre pessoas autistas não-verbais e as maneiras com as quais elas viviam no mundo — uma realidade sobre a qual a maioria das pessoas não presta atenção. Não é uma proposta tão distante desse projeto — histórias sobrenaturais são sempre sobre como indivíduos exploram coisas que não podem explicar ou que temem. O terror é um jeito seguro de refletir sobre os medos que temos sobre o mundo. Esse temor é algo a ser levado a sério, e vê-lo desta maneira é bem mais interessante que o sensacionalismo.

Foram as dúvidas que o atraíram à história, ou o senhor acredita no paranormal? Acho que estou na mesma que o público. Consigo entender que talvez existam aspectos do mundo que não conhecemos, mas também posso ficar do lado de quem teoriza sobre o comportamento do cérebro e a influência de grupos que insistem em certas crenças. Não me vejo nem como cético, nem como devoto, e era essa ambiguidade que queria manter sobre os espectadores da série. Nós, como humanos, não podemos acreditar que sabemos de tudo que há para saber com meros cinco sentidos.

Acompanhe notícias e dicas culturais nos blogs a seguir:

Tela Plana para novidades da TV e do streaming
O Som e a Fúria sobre artistas e lançamentos musicais
Em Cartaz traz dicas de filmes no cinema e no streaming
Livros para notícias sobre literatura e mercado editorial

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.