Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Os dicionários, esses subversivos

Uma das formas mais ridículas de censura é aquela que se tenta fazer aos dicionários, como se lhes coubesse um papel de invenção – e não de simples registro – do vocabulário de uma língua. A última piada perigosa do gênero vem do sul da Califórnia, nos EUA, onde exemplares da décima edição do prestigioso […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 13h55 - Publicado em 17 out 2010, 08h17

Uma das formas mais ridículas de censura é aquela que se tenta fazer aos dicionários, como se lhes coubesse um papel de invenção – e não de simples registro – do vocabulário de uma língua. A última piada perigosa do gênero vem do sul da Califórnia, nos EUA, onde exemplares da décima edição do prestigioso Merriam-Webster foram recolhidos das salas de aula depois que um grupo de pais de alunos se escandalizou com sua definição de “sexo oral”, considerada “sexualmente gráfica”.

Cheguei a imaginar que o lexicógrafo tivesse se excitado, abusando do colorido vocabular, mas não. A tal definição não podia ser mais, digamos, hmm, seca: “estimulação oral dos órgãos genitais”. Será possível dizer menos do que isso sem trair a função básica de um dicionário?

O caso me lembrou a denúncia feita por um grupo de cidadãos brasileiros de origem judaica ao Ministério Público Federal, alguns anos atrás, contra os conselhos editoriais dos dicionários Houaiss e Aurélio, alegando que uma das acepções do vocábulo “judeu” registrada por ambos era ofensiva: “indivíduo mau, avarento, usurário, papa-terra” (Aurélio) e “pessoa usurária, avarenta” (Houaiss).

Acho a reação desses cidadãos brasileiros muito mais compreensível que a dos pais californianos, pela razão simples de que a dignidade cultural ou étnica é um valor elevado, enquanto o puritanismo não é. Mas isso não quer dizer que a reação se justifique. No desfile de vilezas culturais embutidas na língua – que os dicionários não inventaram, mas são obrigados a registrar – judeu é usurário como polaca é prostituta, japonês é parasita, portuga é grosso e baiano é ignorante.

Tudo isso é feio, não se discute, tanto que os lexicógrafos destacam o caráter pejorativo dessas acepções. Mas não é mais feio do que achar que a realidade ficará mais bonita (ou casta!) se censurarmos dicionários.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês