Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Nova York, New York ou Nova Iorque?

Por que, no Brasil, a cidade de Woody Allen fugiu à regra que manda aportuguesar tudo ou nada

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 00h28 - Publicado em 17 set 2015, 16h23

manhattan-59th-st-bridge

“Não me conformo de ver na imprensa e na internet, o tempo todo, o nome da cidade americana escrito como ‘Nova York’. Ou é New York ou é Nova Iorque, concorda? Essa mistura de português com inglês é que não me desce!” (Adriana Fischer)

Muita gente, como Adriana, se incomoda com o fato de que a cidade de Nova York é assim chamada pela quase totalidade da imprensa brasileira – em Portugal, prefere-se a forma “Nova Iorque”.

Alegam esses incomodados que, por uma questão de coerência, seria preciso ou aportuguesar o nome todo, Nova Iorque, ou mantê-lo integralmente no original, New York. Há bons professores de português que concordam com isso – aqui, um exemplo entre muitos.

Reconheça-se que, de fato, a opção entre aportuguesar tudo e nada aportuguesar é aplicada à maioria dos topônimos, os nomes de lugares. A regra geral é “traduzir” (isto é, adaptar) os famosos, como Milão, Londres, São Petersburgo, Cidade do Cabo, e preservar a grafia original daqueles que são menos familiares – Heildelberg, Salt Lake City, Falluja, Perth. Por que, então, Nova York é esse híbrido?

Hoje, porque a forma se consagrou – essa é fácil. No entanto, se quisermos chegar à origem do tratamento diferente, é provável que encontremos por lá a interpretação do nome da cidade como duas unidades com estatutos distintos: Nova, um adjetivo, é termo do vocabulário comum, e portanto traduzível; já York, nome próprio perfeitamente pronunciável do jeito que está, permanece intocado.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas, quartas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)