Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Rodrigo de Almeida

Jornalista, cientista político e consultor de comunicação e política. Escreve sobre políticas públicas em áreas como educação, segurança pública, economia, direitos humanos e meio ambiente, entre outras
Continua após publicidade

A nova esperança de Fernando Grostein Andrade

Cineasta prepara nova versão para o documentário 'Quebrando Mitos', sobre a masculinidade catastrófica de Bolsonaro, com final mais solar e esperançoso

Por Rodrigo de Almeida
Atualizado em 14 abr 2023, 15h55 - Publicado em 14 abr 2023, 10h06

O triste retrato do Brasil de Jair Bolsonaro, o soco no nosso estômago ao retratar um país devastado por um exército de ocupação extremista, violento, racista, preconceituoso, misógino, machista e homofóbico, a beleza incômoda de um documentário que une a história brasileira recente com a vida pessoal dos seus criadores, tudo isso terá um final mais solar em breve. Quebrando Mitos, este retrato em questão realizado por Fernando Grostein Andrade e Fernando Siqueira, foi remontado depois da eleição que tirou Bolsonaro do poder. E assim o desalento nervoso exposto na primeira versão – lançada em setembro, a 15 dias da eleição, e com mais de 1 milhão de acessos no YouTube – deu mais espaço para a esperança. A dupla, um casal gay assustado, mas corajoso e repleto de firmeza e ternura, está agora buscando um festival para reestreá-lo.

Será uma nova versão mais luminosa e mais esperançosa, mas preservando a contundência ao tocar nas feridas deixadas pelo que Andrade chamou de “masculinidade catastrófica e frágil” de Bolsonaro. Méritos que encheram os olhos de gente grande. O cineasta Jorge Furtado classificou Quebrando Mitos de “o melhor e mais importante filme brasileiro das últimas décadas”, não apenas por ser um filme “brilhantemente realizado”, mas sobretudo por ser “um documento fundamental para entender o Brasil”. Os autores do documentário, claro, ficam embevecidos até hoje ao reler o elogio do cineasta – elogio que se estendeu à brilhante e generosa resenha de Fabio Altman nesta VEJA.

Hoje menor depois dos meses de férias em Orlando após direta e indiretamente estimular uma massa de golpistas e vândalos que invadiram os Três Poderes em 8 de janeiro, Bolsonaro foi derrotado numa disputa renhida em 31 outubro de 2022, da qual terminou a noite com meros 2,1 milhões de votos a menos, ou menos de 2% dos votos válidos, e sem aceitar o resultado, como fazem líderes democratas. Para aquela eleição, contou Fernando Grostein Andrade à coluna, os criadores de Quebrando Mitos convidaram pessoas a filmarem com seu celular. De Brasília ao Rio de Janeiro, de São Paulo à Amazônia, eleitores registraram a eleição, enquanto Andrade e Siqueira, eles próprios, filmaram o voto em Los Angeles, onde vivem. Num dos registros aparecem dois eleitores bolsonaristas vestindo uma camisa que estampava “Cuscuz Klan”, mistura do prato clássico brasileiro com a Ku Klux Klan, a organização terrorista que unia ideias reacionárias e extremistas como a supremacia branca.

Ao se verem filmados, perseguiram e ameaçaram Andrade. “Disseram que iam me dar um tiro”, lembra o cineasta, revivendo o tipo de ameaça que o fez o deixar o Brasil. “Há muitos anos tenho sido alvo de ataques e mensagens de ódio, mas a escalada das ameaças chegou ao ápice em 2018, meses antes das eleições presidenciais”, contou Andrade num texto publicado na revista Piauí. Naquele ano, via Facebook, chegou-lhe o seguinte recado: ele devia parar de falar de política, caso contrário o seu velório precisaria ser o com caixão lacrado. “A mensagem não dizia de que modo me matariam, mas o recado era bem claro. Fiquei apavorado. Não era uma mensagem isolada: somava-se a uma longa série de acusações, perseguições e apagamentos.”

Continua após a publicidade

Era o lado perverso das consequências de um documentário que lhe deu fama – para o bem e para o mal: Quebrando o Tabu, lançado em 2011, no qual buscou aprofundar o debate se usuários de drogas não deveriam ser tratados pela medicina, em vez de punidos e presos. Do documentário, Andrade criou uma plataforma de mesmo nome, movimento que repetiu agora com Quebrando Mitos – pode ser acessada aqui – e um perfil no instagram que, como ele diz, “ajuda a fomentar uma comunidade discutindo as questões da masculinidade catastrófica, da arte como forma de resistência.”

Quebrando conjuga sua vida pessoal com a aridez que foram os anos Bolsonaro para o grupo LGBTQIA+ e os alvos habituais do bolsonarismo: o meio ambiente e os ambientalistas; as pessoas negras, pobres e vulnerabilizadas em geral; e quem mais pensou e pensa diferente. Está tudo lá: do assassinato da vereadora Marielle Franco ao cenário macabro das covas rasas abertas nos cemitérios da Amazônia; da floresta em chamas com a cumplicidade de um governo que liberou as boiadas aos desafios presidenciais às instituições e em especial à Justiça e à imprensa; das declarações de incitação ao ódio e ao preconceito, emitidas pelo autodeclarado “imbrochável e incomível”, à repressão ora explícita, ora silenciosa imposta a mulheres, negros, gays, lésbicas, transexuais e travestis.

Entre o coletivo e o individual, o filme dos dois Fernandos narra, por exemplo, que Andrade foi estuprado duas vezes e forçado a perder uma virgindade com uma coelhinha da Playboy aos 17 anos de idade (seu pai, Mario de Andrade, foi editor da versão brasileira da revista). “No filme tomei a decisão de abrir minha vida e revelar minhas vulnerabilidades com o objetivo de despertar a discussão entre gays e seus familiares”, contou Andrade ao lançar o filme. “A homofobia silencia, apaga e mata. O amor, o acolhimento nos fazem mais fortes para enfrentar qualquer tempestade, que, assim como esse governo, vai passar. E voltar ao Brasil sem me sentir ameaçado.”

Continua após a publicidade

Pois passou, em parte, o que lhe permitiu retomar o projeto com uma montagem diferente, que atende ao chamado com o fim do governo Bolsonaro e o início do governo Lula. O maior otimismo lhe reforça a ideia do que chama de “uma crítica construtiva à sociedade brasileira”. Diz ele à coluna: “Muito se diz que o PT não pode nessa volta ao governo repetir os mesmos erros. Concordo. Mas acho que vale pensar também nos muitos erros da sociedade e especialmente da imprensa e de seus anunciantes”. Andrade ecoa assim o que o Quebrando Mitos, a plataforma, vem tentando chamar a atenção, assim como organizações como o Sleeping Giants Brasil, na denúncia e no alerta do papel de anunciantes ao financiar sites que estimulam a desinformação, fake news e discursos de ódio.

Se deixou o Brasil por medo, se teve medo na véspera de lançar Quebrando Mitos, Fernando Grostein Andrade sempre enxergou esse sentimento de uma forma especial: “A gente pode tomar antidepressivo, se for necessário e receitado pelo médico, mas não pode viver à base dele. Posso ter medo das ferramentas de inteligência artificial mas posso usá-las a meu favor. O medo acaba sendo a ferramenta dos oportunistas. Querem banir livros de educação sexual de escolas, mas não querem banir armas. Enquanto livros de educação sexual salvam vidas, aumentou o número de ataque nas escolas. Para mim, o medo nos ajuda a nos prepararmos e nos defendermos. O medo não pode ser paralisante, e sim um impulso para luta e resistência”.

O medo pode ser criador, portanto. Com política e também com a arte. Depois de três anos trabalhando nas imagens da masculinidade catastrófica de Bolsonaro, a válvula de escape do casal foi a música. Ambos criaram um duo musical, o fes2, aproveitando que s2 significa coração na internet. Estão produzindo um álbum, e a primeira música, composição de Fernando Siqueira, está disponível no Spotify. É uma canção sobre exílio, chamada Califórnia. De uma lindeza sem par.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.